Árvores podadas causam transtornos a pedestres no Bairro Alto e Santa Cecília

Tronco de árvore ocupa toda a área da calçada, enquanto pedestre atravessa pela rua (Foto: Amanda Vieira/JP) Tronco de árvore ocupa toda a área da calçada, enquanto pedestre atravessa pela rua (Foto: Amanda Vieira/JP)

Os pedestres que passam pela calçada da rua Manoel Ferraz de Arruda Campos, na altura do número 1100, estão com a travessia prejudicada há quase um mês: o local virou um “depósito de galhos e entulho”, como conta a turismóloga Ticiane Glasser Marques Carreira, 37, que mora há poucos metros do local, no Bairro Alto.

Segundo ela, que passa pelo local diariamente para buscar a filha na escola, a árvore foi podada há mais de três semanas, e os galhos já estavam em quase toda a calçada. “Para passar na calçada, precisa passar uma pessoa por vez, porque o espaço é quase todo tomado pelos galhos”, conta. Para não atravessar pela rua, que já é muito movimentada, Ticiane prefere se arriscar pela calçada, mesmo com os galhos arranhando as pernas.

Além dessa situação, a moradora conta que outra árvore foi podada na rua, e os galhos foram jogados no mesmo local, aumentando o entulho. “Virou um local de descarte de podas e o pedestre que se vire, para não se arranhar, nem ser atropelado”.

A turismóloga chegou a entrar em contato com a Prefeitura de Piracicaba por meio de uma rede social, na última terça-feira (9), já que haviam se passado algumas semanas e a árvore ainda não havia sido retirada. “Mandei as fotos e a reclamação para a prefeitura e eles me falaram que tomariam a atitude com urgência, mas até agora está do mesmo jeito”, conta.

OUTRO CASO

Outra árvore foi alvo de reclamações de moradores no bairro Santa Cecília. Pedaços de tronco e galhos estão cobrindo toda a área de passagem de um ponto da calçada da rua Luciano Gallet com a rua Padre José Maurício. Com a situação, os pedestres só conseguem atravessar pela rua, correndo risco de acidentes.

Questionada, a Sedema (Secretaria Municipal de Defesa do Meio Ambiente) informou que não foi localizada nenhuma ordem de serviço emitida nos dois endereços, mas encaminhará técnicos para verificar os responsáveis pelo serviço, pois, de acordo com a secretaria, o encargo também pode ser das equipes do Corpo de Bombeiros e CPFL, “que também executam retalhamento do tronco de árvores caídas no atendimento de ocorrências e podas emergenciais, quando há fios encostados na rede elétrica”.

Thaís Passos