Aspersoras de ozônio vão proteger servidores da saúde

Equipamento tem alto poder bactericida, ajuda na desinfecção e na proteção. (Foto: Guilherme Leite)

A proteção aos servidores da rede municipal de saúde que estão na linha de frente do combate ao coronavírus está ganhando importantes reforços. Com a intermediação da Câmara de Vereadores de Piracicaba, através do presidente Gilmar Rotta (CID), a empresa piracicabana especializada no tratamento de água com tecnologia de ozônio, a Panozon, doou ao município equipamentos que vão contribuir para a descontaminação de veículos, roupas e dos próprios profissionais.

Os equipamentos são uma câmara aspersora de ozônio para desinfecção dos servidores do Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência), que atuam no transporte de pacientes com suspeita de contaminação pelo Covid-19, uma estufa para desinfecção de luvas e máscaras que será instalada na tenda de atendimento anexa a UBS do Piracicamirim e uma máquina para aspersão de ozônio que será utilizada na descontaminação de ambulâncias do sistema municipal de saúde.

Segundo Gilmar Rotta, a empresa apresentou um laudo de confirmação que testes feitos no modelo “Panozon O3Care M50”, utilizado para desinfecção das máscaras para posterior reutilização, foram efetivos contra os coronavirus, eliminando 99,99% na aplicação. Na semana passada, o presidente da Câmara promoveu uma visita à empresa do secretário municipal de saúde, Pedro Mello e do médico Moisés Taglieta, coordenador do setor de Vigilância em Saúde da Prefeitura e que está à frente da operação de combate na cidade. Ontem (23), o grupo esteve na sede do Samu, na avenida Dr. Paulo de Moraes, verificando o funcionamento da câmara aspersora que, desde quarta-feira (22) é utilizada pelos servidores.

Pedro Mello apontou que a iniciativa da empresa foi muito saudável e que orgulha a cidade neste momento da pandemia o exemplo em auxiliar o município. Equipamentos como estes, que trabalham com ozônio e que, segundo Mello, tem grande poder bactericida, vão ajudar muito quanto a desinfecção e de proteção as pessoas que trabalham diretamente com a pandemia.

O secretário reconheceu ainda que os equipamentos ajudam também no ponto de vista psicológico, com uma maior segurança e com a possibilidade de redução do número de servidores que possam vir a ser afastados por contaminação, como já acontece em vários municípios. “Claro que não elimina a necessidade dos demais cuidados, mas é um reforço importante para o município”, disse.


Segundo informações da Panozon, o ozônio é um gás natural presente na natureza, formado a partir do oxigênio contido no ar. “É o mais forte agente oxidante, conhecido para uso comercial e mais potente que o cloro, eliminando com muito mais facilidade diversos microrganismos”, explica.

Segundo o CEO da Panozon, o engenheiro Carlos Heise, a empresa sempre investiu em pesquisas através da tecnologia de ozônio e, diante da pandemia, buscou formas de utilizar o gás para contribuir com o controle da contaminação. “Será histórico para empresa participar deste momento que temos, todos, que nos ajudar para que esta crise passe o quanto antes”, explicou.

Da Redação