Audiência discute coleta de lixo na Câmara dos Vereadores de Piracicaba

Atraso e falhas na coleta de lixo na cidade motivaram realização de audiência pública nesta quarta-feira (19), na Câmara de Vereadores (Crédito: Claudinho Coradini/JP)

A audiência pública que vai discutir o contrato PPP (Parceira Público Privada) entre a Prefeitura de Piracicaba e a empresa Piracicaba Ambiental acontece hoje, a partir das 19h30, na Câmara de Vereadores. O encontro foi sugerido pela vereadora Adriana Cristina Sgrigneiro Nunes, a Coronel Adriana (Cidadania) e aprovada pela Câmara na semana passada.



Para participar da discussão, foram convocados o diretor da Piracicaba Ambiental, Gerson de Grutolla, a presidente da Cooperativa do Reciclador Solidário, Ednalva Inês Correa de Souza, o secretário municipal de Defesa do Meio Ambiente, José Otávio Machado Menten e o diretor-geral da Ares-PCJ, Dalto Favero Brochi, segundo informou o gabinete da parlamentar.

Coronel Adriana justificou a necessidade de uma audiência devido à quantidade de reclamações que a Câmara tem recebido sobre a prestação do serviço de coleta na cidade.

“Recebemos diariamente constantes reclamações sobre o serviço que está sendo prestado para a população e temos observado problemas gravíssimos na coleta de lixo, principalmente em condomínios”, afirmou a vereadora na semana passada.

O autor do projeto de resolução que cria uma Comissão de Estudos para avaliar os problemas relacionados à coleta de lixo no município, o republicano Marcos Abdala disse que a audiência de hoje vai trazer mais elementos à apuração que vendo sendo feita por ele para formação da CE.

Ele disse que conversou com a vereadora falou para ela realizar sim a audiência. “Será muito bom para trazer mais informações à Comissão de Estudos”, afirmou.

O parlamentar disse que também tem recebido reclamações sobre a qualidade do serviço da coleta de lixo na cidade. “Hoje, os moradores já não têm certeza da realização da coleta em seus dias programados – rua a rua / bairro a bairro. O que impera é a incerteza”, afirmou.

Beto Silva
[email protected]