Audiência do lixo não esclarece dúvidas nem apresenta soluções

Audiencia foi solicitada e conduzida pela vereadora Cel. Adriana. (Divulgaçao)

A audiência pública para discutir o contrato PPP (Parceria Público Privada) entre a prefeitura e a Piracicaba Ambiental para a coleta de lixo na cidade, realizada anteontem na Câmara de Vereadores, acabou sem a apresentação de soluções e deixou dúvidas que não foram sanadas. Essa foi a avaliação da vereadora Adriana Sgrigneiro Nunes, a Coronel Adriana (Cidadania), idealizadora do evento.


O encontro reuniu o diretor-técnico da Ares-PCJ, Carlos Gravina, o secretário municipal de Defesa do Meio Ambiente, José Otávio Machado Menten, do diretor financeiro da empresa Ambiental Piracicaba, Gerson Grutola e da presidente da Cooperativa Reciclador Solidário, Ednalva Inês Correa de Souza.


Durante as três horas de audiência pública a empresa Ambiental, foi duramente questionada tanto pela população como por vereadores, alguns deles da base de sustentação do governo municipal.


O diretor da empresa chegou a apresentar pesquisas que colocaram a coleta de lixo em primeiro lugar entre os serviços prestados à população. Questionado sobre os grandes intervalos de coleta em alguns bairros, o representante da empresa negou e disse que os ‘caminhões seguem o cronograma’.


O vereador Marcos Abdala (Republicanos) acusou a empresa de fazer assédio moral contra os funcionários, de não fornecer EPIs (Equipamentos de Proteção Individual) e de não ter equipamentos adequados para a coleta.
O vice-presidente Pedro Kawai (PSDB) sugeriu que a empresa passe por uma revisão da gestão e disse que, antes de pensar em aumentar a arrecadação, a Ambiental precisa pensar em reduzir custos, sem demitir os funcionários.


Ao rebater a afirmação do diretor de que o cronograma da coleta é cumprido, o tucano foi taxativo: “No meu bairro a coleta passava de quarta e sábado, agora quando passa de quarta, não passa de sábado, hoje mesmo não passou”, afirmou.


Grutola negou as irregularidades trabalhistas apontadas por Abdala. Ele disse que a empresa fechou o ano sem atrasos no pagamento de salários e do 13º.


O diretor técnico da Ares PCJ, Carlos Gravina, disse que está sendo feita a primeira revisão quadrianual da concessionária. Para isso, a Fipe foi contratada para apresentar o balanço para saber se a empresa cumpriu o contrato firmado com a prefeitura.

“Nós verificamos se a prestação final do serviço está sendo feita, se o caminhão está passando no horário”, exemplificou. Ele disse que, em janeiro, a agência apresentou 48 notificações à Sedema sobre a Ambiental.

Beto Silva
[email protected]