Aves ocupam o 2º lugar nos lares brasileiros

As aves têm ganhado cada vez mais espaço como animal de estimação no Brasil. Um recente levantamento do Instituto Pet Brasil, com dados de 2018 coletados junto ao IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), demonstra que dos cerca de 140 milhões de pets no país, 39,8 milhões são aves, atrás apenas de cachorros (54,2 mi) e na frente de gatos (23,9 mi). Os números, de acordo com a Abinpet (Associação Brasileira da Indústria para Animais de Estimação), colocam o Brasil como o segundo lugar com a maior população de aves do mundo, atrás apenas da Colômbia.

Os dados da Pet Brasil sobre aves impressionam, mesmo. É o segundo setor de pets que mais cresce no Brasil. O crescimento registrado num período de cinco anos, de 2013 a 2018, é de 5,7%, até mais do que o de cães (5%). No acumulado, o animal que mais cresceu, no entanto, com alta de 8,1% é o gato.




O levantamento também mapeou onde as aves estão por estado e regiões do Brasil. Em 2018, a maior concentração esteve na região Sudeste, seguida do Nordeste. A maior concentração de aves está em São Paulo (24,5%) e Minas Gerais (10,0%), destaca o instituto.


A densidade populacional é fator determinante para a população pet. Mais de um quarto dos pets brasileiros estão em São Paulo. Os estados de Minas Gerais e Rio de Janeiro aparecem em segundo e terceiro com a maior concentração, com 10,1% e 8,8%, respectivamente.

“Esses novos números confirmam a tendência que havíamos identificado: cada vez mais pessoas e famílias buscam um animal de estimação para companhia, dar e receber afeto e atenção. No entanto, com o maior número de pessoas morando sozinhas, e em espaços menores, é patente o crescimento por animais cujo cuidado no dia a dia seja mais simples, ou, que pelo menos, exijam menos espaço. Por isso esse crescimento dos felinos, principalmente em cidades maiores”, analisa o conselheiro de Comércio e Serviços do Instituto Pet Brasil, Nelo Marraccini.

A veterinária Camila Gregorutti, especialista em Silvestres da AmahVet, explica que o clima tropical é propício para a criação e desenvolvimento de aves no país e que se trata de um ótimo pet, que interage, requer cuidados especiais e são dóceis. “Hoje em dia as aves estão mais em casa de tutores. Elas respondem bem aos carinhos e agrados”, conta a veterinária.


Os principais pets aves que estão nos lares brasileiros, revela Camila, são papagaios, calopsitas, canários e periquitos australianos. Ao adquirir algum destes, explica a especialista, “o ideal é registrá-lo junto ao Ibama (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis)”.

Ela faz um alerta: maritacas não são recomendados com o pet . “Não pode ter em casa porque não é uma ave legalizada, o Ibama não permite porque não se enquadra como uma ave silvestre”. Como ressalta , é uma espécie de ave que deve viver livre, assim como outras bastante encontradas no interior de São Paulo, como tucanos e araras.

Da mesma forma que cães e gatos, as aves domésticas necessitam de cuidados especiais dos tutores. “Às vezes até mais”, ressalta a veterinária. “Em relação à saúde da ave, o certo é de levá-la periodicamente ao veterinário. É um animal que não demonstra se está com algum problema tão latente como um cãozinho, por exemplo, e se demonstra, é porque já está em um estado grave”.

Quanto à saúde alimentar, ele enfatiza que é dever do tutor dar uma dieta rica em proteínas e não apenas alimentar a ave com girassol ou outras sementes. “Girassol e rico em gorduras e pobre em nutrientes. Elas precisa de uma fruta e pode, sim, dar legumes e até um ovo cozinho, que é rico em proteína”.

Erick Tedesco