Baias podem ser trocadas por solários no Canil Municipal

Modelo é mais adequado e visa o bem-estar animal. (Foto: Reprodução do Projeto)

As baias utilizadas para abrigo dos animais no CCZ (Centro de Controle de Zoonoses) poderão ser trocadas para solários, modelo mais adequado aos padrões atuais de bem-estar animal. Um projeto está em desenvolvimento e foi discutido na última sexta-feira (23), entre integrantes do órgão e a vereadora e protetora dos animais Alessandra Bellucci (Republicanos). Ela defende ainda a divisão de atribuições entre o CCZ e a GCM (Guarda Civil Municipal) e a criação de unidades básicas de saúde animal.

A mudança deve constar de um decreto para regulamentar o Setor de Direito Animal, já em funcionamento pela Guarda Civil Municipal, que hoje atende pelo número de telefone 153 e que possui uma sala para atendimento de denúncias e orientações. O projeto dos solários foi produzido pelo arquiteto Thiago Passarelli. Segundo a vereadora, o modelo atual das baias é arcaico e ultrapassado. “O CCZ se engessou em avanços dentro do propósito em que nasceu, de suporte para a Vigilância Sanitária, quando existiam muitos casos de raiva na cidade”, explica, ao completar: “os animais de rua ou semitutoriados precisavam ser recolhidos, especialmente os que apresentaram agressividade, para serem observados em relação à raiva”.

Alessandra reforça que as baias não estão estruturadas para o trabalho de bem-estar dos animais recolhidos e à espera de adoção. “Por conta disso, alguns animais podem contrair até doenças psicológicas, de comportamento, por estarem em locais inadequados de manejo”, enfatiza.

Agora, está sendo estudada a possibilidade de a GCM receber todas as denúncias de maus-tratos, se os laudos dos animais serão feitos por veterinário do Canil Municipal ou do Pelotão Ambiental e as penalidades a quem cometer crimes de maus-tratos, além de lares temporários para animais. Além disso, estão sendo estudadas novas alternativas para a castração de animais tutoriados pela população de baixa renda, que não possui condições para se deslocar até o CCZ, explorando a estrutura do Castramóvel.

Ainda como forma de descentralizar as ações do CCZ, está em estudo a criação de duas unidades básicas de saúde animal, que também atuaria na castração e em ações de conscientização nas regiões com maiores índices de maus- -tratos dos animais.

Da Redação

LEIA MAIS:

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, digite o seu comentário!
Por favor, entre com seu nome

17 − três =