Bairro Volta Grande está sem água há uma semana

Família usa água da chuva para fazer atividades doméstica; previsão é normalizar abastecimento depois das festas | Foto: Claudinho Coradini/JP

Moradores do bairro Volta Grande enfrentam a falta d’água desde a última quarta-feira (23). Com desabastecimento há uma semana, famílias veem como alternativa usar a água da chuva para realizar atividades domésticas.

Segundo o Semae (Serviço Municipal de Água e Esgoto), a escassez tem ocorrido devido ao aumento do consumo nessa época. Não há prazo definitivo, mas a previsão de normalizar o abastecimento é “após as festas de final de ano”, quando “a situação deverá retornar à normalidade”.


O comerciante Renato Adriano Calderan, conta que não chega uma gota d’água nas torneiras de casa e apenas nesta terça-feira (29) a esposa conseguiu lavar roupa com a água da chuva que coletaram.

“Tenho criança de 9 e outra de 5 anos, tenho que ficar tratando no balde, dando banho no balde. Conseguimos lavar roupa hoje [dia 29], porque na segunda a gente conseguiu pegar um pouco da água da chuva e está usando essa água, mas está desde quarta-feira. Criança, você sabe como é, acaba gastando mais roupa”, comenta.


Calderan explica que o reservatório que atende o bairro Volta Grande é o mesmo do bairro Nova Suíça. Segundo ele, seu cunhado ligou ao Semae no começo da semana e recebeu a explicação de que o fornecimento de água para o reservatório ocorre em períodos alternados.

LEIA MAIS:

“O problema é que essa água não chega nos lugares mais distantes, ela vai parando pelo caminho. Então, por exemplo, um pedaço da frente do Nova Suiça é abastecido, mas a gente que fica mais para o fundo essa água não chega lá”, comenta ao lembrar que precisa pedir ajuda de vizinhos também para ter água em casa.


De acordo com o Semae, ontem à tarde foi encontrado um vazamento na estrada Saul Chinelato, onde Calderan mora, e equipes trabalharam no local para arrumar. Porém, em nota, informou que “a falta de água tem ocorrido devido ao aumento do consumo”.


“A região teve um aumento considerável de ligações clandestinas e de parcelamento irregular de solo, tudo contribuindo para a falta de água. […] Por ora, o Semae está trabalhando na região, verificando se há vazamentos ou problemas no bombeamento”, diz nota ao complementar que nos loteamentos com reservatório reforça o abastecimento com caminhões pipas.

Andressa Mota | [email protected]

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, digite o seu comentário!
Por favor, entre com seu nome

treze − três =