Caça a ‘Serial Killer do DF’ causa atrito de governadores

Foto: Divulgação

Força-tarefa policial nas buscas por Lázaro Barbosa mobiliza mais de 300 agentes de segurança

A força-tarefa policial que mobiliza mais de 300 agentes de segurança do Distrito Federal e de Goiás em busca por Lázaro Barbosa, conhecido por “Serial Killer do DF” e acusado de matar quatro pessoas de uma mesma família em Ceilândia (DF), virou motivo de atrito entre governadores nesta quarta-feira.

Ibaneis Rocha (MDB), do Distrito Federal, afirmou que o fugitivo “vem fazendo a polícia do Distrito Federal e de Goiás quase como de bobas”. O governador goiano, Ronaldo Caiado (DEM), respondeu no Twitter: “Que Ibaneis não se atreva a desrespeitar novamente os policiais goianos, os melhores do País. Não admito. Se ele trata policiais do DF com grosseria, minha solidariedade a eles. Em Goiás a polícia é nosso orgulho.”

Ibaneis disse estar surpreso com a caçada ao homem acusado de matar quatro pessoas da mesma família em Ceilândia, perto de Brasília. Há oito dias, a polícia busca por Lázaro Barbosa, de 32 anos, conhecido como “Serial Killer do DF”. “É a primeira vez que vejo algo assim”, admitiu Ibaneis ao Estadão.

Mais cedo, em evento em Brasília, o governador afirmou que mais de 300 agentes de segurança, que incluem policiais de Goiás, estão empenhados em capturá-lo.

“Essa caçada nos impressiona muito. São quase 300 homens atrás desse marginal e não conseguiram ainda localizá-lo. Espero que isso aconteça o mais rápido possível, para que a gente possa tranquilizar as famílias e dar a punição devida a esse marginal que vem causando tanto mal e fazendo a polícia do Distrito Federal e do Goiás quase como de bobas”, acrescentou o governador.

Na terça, Lázaro fez uma pessoa de refém em Edilândia (GO) e trocou tiros com policiais. Ele tinha sido visto em propriedades rurais no Entorno do DF e Goiás. Além de Edilândia, ele passou por Cocalzinho de Goiás, a 115 km de Brasília. Lázaro é acusado de matar, a tiros e facadas, três pessoas na zona rural de Ceilândia no dia 9 de junho. Os mortos eram Cláudio Vidal de Oliveira, de 48 anos, e os filhos Gustavo Marques Vidas, de 21 anos, e Carlos Eduardo Marques Vidal, de 15 anos. Ele também é acusado de participar do sequestro da mulher de Cláudio, Cleonice Marques de Andrade, cujo corpo foi encontrado dia 12 ao lado de um rio, perto de sua casa.

Para Caiado, Lázaro é um “psicopata e facínora” – e por isso é preciso “cautela” para que reféns não sejam mortos na perseguição. “Ele usa de todos os métodos que a polícia não pode usar”, declarou Caiado ao Estadão. O governador acredita que o criminoso será preso nos próximos dias. “Ele sabe muito bem que, quando entrou para Goiás, sabe que vai ser preso.” Nascido na cidade baiana de Barra do Mendes, Lázaro já respondeu, na cidade natal, a um processo por homicídio quando tinha 20 anos.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

LEIA MAIS

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, digite o seu comentário!
Por favor, entre com seu nome

5 + 4 =