Cachaça e oração

Foto: Freepik

Edson Rontani Júnior, jornalista

Virou meme nas redes sociais digitais a manifestação do papa Francisco dizendo que o brasileiro não tem jeito: “é muita cachaça e pouca oração”. A frase, feita em tom de brincadeira, pegou de surpresa até o interlocutor que solicitou sua intervenção pela situação atual. Esta imagem da cachaça está enraizada na cultura popular e … Piracicaba tem sua inegável contribuição! Produtores das famosas caninhas e pingas ao longo do século passado, chegamos a ser referência da aguardente extraída da cana de açúcar.
Originária do sul da Ásia, a cana de açúcar chegou ao solo americano importada pelos europeus que aqui nos colonizaram. Sua fermentação era moeda de troca no império português.
O historiador Luis Felipe de Alencastro diz que a cachaça era a moeda mais valorizada na época do Brasil colônia para o escravagismo. Em “O Trato das Viventes – Formação do Brasil no Atlântico Sul – Séculos XVI e XVIII” ele afirma que os portugueses proibiram a comercialização do produto para garantir ao mercado europeu o consumo da bagaceira e do vinho. A cachaça virou, então, uma moeda no mercado paralelo para a compra de escravos negros para o Brasil. Angola e Luanda foram os países que mais comercializavam a mão de obra escrava em troca da bebida. Um em quatro negros trazidos destes locais eram trocados pela cachaça.
Aguardente é a bebida conseguida com qualquer vegetal doce. Cachaça é a aguardente obtido exclusivamente através da cana de açúcar. Pinga é o nome popular da cachaça. No início, o seu processo de fabrico era um constante pingar em um grande coador. Caninha ou aguardente de cana doce são variações do linguajar.
Todos eles foram cultivados, produzidos ou envasados em Piracicaba no século passado. A memória mais recente remonta às marcas Cavalinho e Tatuzinho, esta última ainda produzida em Rio Claro pela empresa Três Fazendas, da família Almeida.
A história pela produção da caninha tem ligação direta com as antigas cervejarias, como subproduto fabricado então pelas famílias Wagner, D’Abronzo, Carmignani e outras.
Caetano Carmignani era italiano, chegando ao Brasil em 1887. Em Piracicaba, no ano de 1904, criou a Cerveja Cavalinho, seguida dos refrigerantes da mesma marca. A fábrica estava instalada na avenida Dona Francisca,Vila Rezende, produzindo a Caninha Cavalinho a partir de 1910. A industrialização da marca ocorre em 1934, após o falecimento do patriarca Caetano. Produzia também bebidas conhecidas do piracicabano como a gengibirra e cotubaína.
Ainda em atividade, a Destilaria Capuava foi fundada em 1886 por imigrantes dinamarqueses, acostumados com a aquavit, bebida bem consumida nos países escandinavos, proveniente de cereais ou tubérculos como a batata, acrescidos de ervas aromáticas. Porém, foi com a cana de açúcar que a empresa se tornou notória no mercado.
Jacob Wagner, avô do artista plástico Renato Wagner, foi produtor de cerveja em barril, o chope. Não se arriscou com a aguardente, mas possuía uma famosa cervejaria no Centro de Piracicaba, com garrafas lacradas com bolinha de gude no seu gargalo.
A fama de cachaceiro talvez tenha chegado ao papa através de um forte marketing realizado nos anos 1960 pela Caninha Tatuzinho, produto da empresa criada em 1910 por Paschoal D’Abronzo, também imigrante italiano que incialmente veio colher café na fazenda dos Amaral (da família da artista plástica Tarsila) em Mombuca. A empresa tentou exportar a aguardente adoçada com o nome Samba’s Rhum, nos anos 1960.
Piracicaba teve usinas, destilarias, revendedores e consumidores que criaram esta exótica visão que possuímos. Mas como todo pecado reverte-se em penitência, oremos … E não nos esqueçamos de um gole para o santo …

LEIA MAIS

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

5 + 19 =