Câmara conclui discussão em segundo turno sobre reforma da Previdência

Câmara conclui discussão em segundo turno sobre reforma da Previdência
Fonte: Agência Brasil

O plenário da Câmara dos Deputados encerrou há pouco, por 353 votos favoráveis contra 10, as discussões do segundo turno da proposta de reforma da Previdência (PEC 6/19).

Após a fase de discussão, os deputados passarão à votação do texto-base e, em seguida, analisarão os destaques – propostas para modificar a redação da PEC. Segundo o presidente da Câmara, deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ), a previsão é encerrar a matéria na Casa até quarta-feira (7).

Acompanhe a transmissão ao vivo:

“A minha expectativa é que quarta à noite a gente possa ter a [votação] final do segundo turno e na quinta, a gente encaminha para o Senado Federal a PEC da Previdência”, disse. “[Podemos] votar o principal e mais dois ou três destaques. Aí a gente pode encerrar [a sessão]”, completou.

No início da sessão, os parlamentares aprovaram, em votação simbólica, a quebra do prazo de cinco sessões entre as votações em primeiro turno e em segundo turno para que a PEC possa ser votada ainda hoje. 

O primeiro turno da proposta foi concluído no dia 13 de julho. Na ocasião, o texto principal foi aprovado por 379 votos a 131. Em segundo turno, são necessários também 308 votos para aprovar a PEC, e os partidos podem apresentar somente destaques supressivos, ou seja, para retirar partes do texto. Após concluída a tramitação na Câmara, a matéria segue para análise do Senado, onde também será analisada em dois turnos de votação. 

Divergências

A oposição ainda tenta modificar trechos da proposta e já anunciou que apresentará os nove destaques a que tem direito para tentar retirar pelo menos quatro itens do texto da reforma. Estão no foco de partidos da oposição a retirada de trechos como a pensão para mulheres, aposentadorias especiais, pensão por morte e as regras de transição.

A líder da Minoria, deputada Jandira Feghali (PCdoB-RJ), reiterou nesta terça-feira que oposição trabalhará na “redução de danos” ao trabalhador. Para deputada, há trechos “muito cruéis” aos brasileiros. 

Segundo a deputada Alice Portugal (PCdoB – BA), a população brasileira teve oportunidade de aprofundar o conhecimento a respeito do texto da reforma durante o período de recesso parlamentar. 

“A população brasileira pôde entender que há matérias trabalhistas no corpo, no texto da PEC 6, que vai perder o abono salarial, que viúvas e órfãos receberão 60% ou 50% do provimento do provedor da família ou da provedora da família, que essa reforma é fiscalista e só coloca o sacrifício do seu conteúdo no ombro dos mais pobres”, disse.

No entanto, para deputados da base governista, a matéria será aprovada independente da atuação contrária à proposta pelos partidos de oposição. 

“A oposição está obstruindo, e obstruir significa não trabalhar para que Brasil possa avançar. Nós vamos, queira a oposição ou não, votar a reforma, a nova Previdência, para que o País volte a crescer e para que façamos com que ele volte a gerar emprego e oportunidade de vida ao povo brasileiro”, afirmou o deputado Darci de Matos (PSD-SC).

Assista na TV Brasil: Câmara vota reforma da Previdência em 2º turno

Maia quer concluir esta semana votação do 2º turno de reforma

Câmara conclui discussão em segundo turno sobre reforma da Previdência

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, digite o seu comentário!
Por favor, entre com seu nome

quatro × quatro =