Câmara Inclusiva: Reforma do Salão Nobre termina na próxima semana

Reforma permite participação de pessoas com deficiência. (Foto: Guilherme Leite)

As adequações físicas no Salão Nobre Helly de Campos Melges, como parte das ações previstas no projeto Câmara Inclusiva e iniciadas em janeiro, estão perto do fim. As obras continuaram mesmo durante a pandemia da covid-19 e, segundo Mauro Rontani, diretor de Administração da Casa, a reforma deve ser finalizada já nesta última semana do mês de abril.

A fase atual é de acabamento da parte elétrica e limpeza e higienização das cadeiras que serão recolocadas, revela Rontani. “A previsão é que, na próxima semana, todos os serviços estejam concluídos”, garante o diretor.

Segundo ele, a pandemia não interferiu significativamente no ritmo das obras. Destaca que alguns fornecedores tiveram dificuldades, mas todos conseguiram cumprir os respectivos prazos e prestar o serviço, “visto que a construção civil não foi paralisada devido a pandemia”, completa.

LEIA MAIS:

Nesta fase final, os procedimentos são de adequações das reinstalações elétricas e eletrônicas, como equipamentos robóticos da TV Câmara, sonorização. “São recolocações do que já existia”, explica Rontani.

Outros serviços em execução são a limpeza – higienização – das cerca de 200 cadeiras do salão, que segundo o diretor, “apresentaram avarias”, mas agora devidamente recuperadas. “Não houve nova aquisição neste sentido.

Dia 20 de dezembro de 2019, quando teve início o recesso parlamentar, o local começou a ser desmontado para receber as modificações”, ele ressalta.

Quanto aos serviços já finalizados o diretor de Administração da Câmara conta que a prioridade imposta pelo presidente Gilmar Rotta foi de recuperação de “tudo que fosse possível e a aquisição mínima de materiais”. Neste sentido, o chão do salão, para o qual havia o indicativo de substituição de todo o piso, foi recuperado. Os tacos foram lixados e recebem sinteco. O revestimento acústico foi substituído e toda as paredes do salão receberam o revestimento, evitando custos com pinturas. O palco foi reconstruído, devido ao problema com cupim e para se tornar acessível, fiações elétricas antigas foram substituídas”.

Sobre a necessidade das obras, a primeira em 20 anos, o presidente da Casa, Gilmar Rotta, em entrevista ao Jornal de Piracicaba, revela que alguns fatores foram levados em conta, “essenciais”, como caracteriza: a segurança dos usuários e a adequação do espaço, conforme indicações das entidades que lidam com pessoas com deficiência e que participam do projeto Câmara Inclusiva.

“Em 2019, estas entidades trouxeram para visitas técnicas às dependências da Casa seus assistidos e eles elaboraram relatórios apontando necessidade de mudança como, por exemplo, a rampa de acesso ao palco do salão, que era irregular, e a ampliação da largura do palco, para que cadeiras de rodas pudessem transitar com tranquilidade para acesso à tribuna de honra”, ressalta Rotta.

Quando à segurança, o presidente do Legislativo conta que a vistoria dos bombeiros apontaram a necessidade de substituição de equipamentos como, por exemplo, o isolamento acústico antigo que já havia perdido sua característica antinflamável e a cortina, cujo tecido era inflamável. “Por fim, o aspecto estrutural também foi importante para a decisão de promover a recuperação”.

Questionado sobre uma eventual solenidade de entrega da reforma do Salão Nobre, Rotta afirma que, após a pandemia, o espaço voltará ao seu uso sem nenhum ato específico. “ A Câmara continuará evitando qualquer custo além dos já efetuados nas melhorias”.

Erick Tedesco

[email protected]