Cão Eagle da Dise ajuda na localização de 630 porções de droga em seu primeiro dia de ‘trabalho’

Entorpecentes e dinheiro foram localizados (Divulgação/Dise)

O pastor belga de malinois Eagle, da Dise (Delegacia de Investigações Sobre Entorpecentes) ajudou na localização de 630 porções de maconha, crack e cocaína, que estariam na residência de dois acusados de envolvimento com o tráfico de drogas. As abordagens ocorreram em dois endereços, no Jardim Vitória, na manhã desta quarta-feira (29). Dois homens foram presos pela Polícia Civil.

De acordo com os investigadores, por volta das 7h30, os policiais foram cumprir mandados de busca na residência de dois homens que guardariam entorpecentes nas respectivas residências. Em um dos endereços, os policiais localizaram um estojo escondido em um buraco no teto de um quarto desocupado, contendo porções de maconha e crack. Os investigadores seguiram até a residência do primeiro suspeito, onde ele foi localizado e alegou que guardaria entorpecentes. No local, os policiais teriam localizado mais porções de cocaína, material para embalagem, balança e dinheiro proveniente do tráfico.



Parte da droga foi localizada com a ajuda do Eagle (Divulgação/Dise)

 

Realizada buscas com o cão de faro Eagle foi localizado grande quantidade de porções de cocaína separadas em “kits”, dentro de uma bota, no quarto do suspeito. Os investigadores foram até a casa do segundo acusado, onde apreenderam mais  105 porções de crack e R$ 700,00, mas ele não foi localizado.

INVESTIGAÇÃO

Um dos suspeitos foi conduzido a sede da delegacia especializada, onde foi autuado em flagrante. O segundo acusado, que não foi localizado, será indiciado e responderá pelos crime de tráfico de entorpecentes e associação ao tráfico.

EAGLE

O investigador da Dise, Marcelo Oliveira foi o idealizador do uso do cão nos trabalhos da delegacia especializada, que atua nos 11 municípios atendidos pela Delegacia Seccional de Piracicaba. A unidade será a única delegacia especializada entre os 52 municípios do Deinter-9 (Departamento da Polícia Judiciária do Interior), que passou a ter um cão de faro, que será usado pela Polícia Civil. Eagle tem apenas nove meses de adestramento e já vem mostrando aptidão para seu novo “trabalho”.

 

Iniciativa não trará despesa para a instituição (Divulgação/Dise)

 

A iniciativa de usar o cão foi particularmente dos policiais da Dise que assumiram o compromisso de manter o cão, sendo os todos os gastos cobertos pelos próprios policiais mediante rateio e patrocínio de voluntários, não havendo nenhum veículo financeiro da aquisição e manutenção do cão com a instituição Polícia Civil.

 

Cristiani Azanha

[email protected]