Casos de covid-19 em Piracicaba crescem oito vezes em um mês

Prefeitura vai intensificar as campanhas educativas e sobre isolamento social (Foto: Amanda Vieira/JP)

Atualizado em 19 de maio, às 13h15.

Em um mês, os casos de covid-19 aumentaram quase nove vezes em Piracicaba. No dia 18 de abril a cidade registrava 34 diagnósticos da doença, enquanto ontem, o número de casos positivos somavam 297. Nesta segunda-feira (18) a cidade registrou 24 novos casos, acumulando os diagnosticados também no domingo (17). Assim foi um caso a cada duas horas.

Errata: O Jornal de Piracicaba havia citado que foi registrado um novo caso de covid-19 a cada uma hora no município, mas a informação correta é que foi um a cada duas horas, pois os casos divulgados na segunda-feira (18) acumularam os novos diagnósticos de domingo (17).

O secretário de Saúde, Pedro Mello, classificou como um “crescimento enorme” da doença. Apesar de o número de mortes se manter o mesmo desde a última quinta-feira, quando foram registrados 17 óbitos, a pasta pretende intensificar as campanhas educativas, principalmente a conscientização quanto ao isolamento social.

Em um informativo divulgado ontem pela administração municipal, o prefeito Barjas Negri (PSDB), criticou a atuação do Governo Federal diante da pandemia no país. “O prefeito avaliou que o Governo Federal se mostra ausente na coordenação de ações em nível federal, envolvendo os estados e municípios”, traz o texto.

Entre os novos casos da doença na cidade, está a do médico e presidente da Unimed Piracicaba, Carlos Joussef. A assessoria da cooperativa confirmou ontem que o dirigente está internado no hospital Albert Einstein, na Capital. Segundo a assessoria da Unimed, o quadro é estável.

Por meio de um áudio em uma rede social, neste final de semana, a filha de Joussef, a estudante de medicina Maria Luísa, explicou que a decisão da família pela transferência se deu pela insistência do pai em continuar trabalhando, mesmo internado.

NO ESTADO
O novo coronavírus já provocou 4.823 mortes em São Paulo até ontem, conforme balanço desta segunda-feira. O número é 4,9 vezes maior que o verificado há um mês. Em 18 de abril eram 991 óbitos.

Proporção de aumento similar foi verificada entre o número de infectados. Ontem, havia 63.066 casos confirmados da covid-19, contra 13.894 um mês atrás.

O número de cidades com registros da doença mais que dobrou nesse intervalo de tempo. Em 18 de abril, havia um ou mais casos em 225 cidades e 90 com, pelo menos, uma vítima fatal. Ontem, eram 467 e 214, respectivamente.

Nesta segunda-feira, havia 9,8 mil pacientes internados em São Paulo, sendo 3.900 em UTI (unidade de Terapia Intensiva) e 5.974 em enfermaria.  A taxa de ocupação dos leitos de UTI reservados para atendimento a covid-19 é de 69,8% no Estado de São Paulo e 89,3% na Grande São Paulo.

FERIADO ANTECIPADO
O Governador João Doria confirmou ontem que pretende antecipar o feriado estadual da Revolução Constitucionalista, celebrado em 9 de julho, para a próxima segunda-feira (25). O projeto de lei já foi enviado para análise da Assembleia Legislativa, em regime de urgência, para que os índices de isolamento social subam e ajudem a mitigar a transmissão do coronavírus.

“A expectativa é que o projeto possa ser analisado em regime de urgência e possa ter aprovação majoritária dos deputados na Assembleia Legislativa”, declarou o Governador.

A medida proposta pelo Governo do Estado complementa propostas da Prefeitura de São Paulo, que pediu à Câmara Municipal autorização para antecipar dois feriados municipais, que seriam remarcados para amanhã e na quinta-feira.

Com a possível antecipação de feriados, a meta é criar uma sucessão de dias em que o isolamento social iguale ou supere o índice mínimo de 55%.

O número de dias sucessivos com feriados pode aumentar ainda mais se as prefeituras das demais regiões metropolitanas aderirem ao planejamento do Governo do Estado. O Secretário Marco Vinholi (Desenvolvimento Regional) adiantou que vai solicitar aos prefeitos e prefeitas da Grande São Paulo, interior e litoral que adiantes dois feriados locais para os próximos dias 26 e 27 de maio.

“Estamos orientando fortemente para a na região metropolitana de São Paulo seja feita a antecipação. A orientação para uma ação conjunta com as prefeituras é fundamental”, declarou Vinholi.

“Nós estamos em um mês crucial para o combate ao coronavírus em São Paulo, aqui é o epicentro da pandemia no Brasil”, acrescentou o Governador.

VACINAÇÃO NO ESTADO
Começou a última fase da campanha de vacinação contra a gripe, que se encerrará no dia 5 de junho. A partir desta segunda-feira, doses também serão disponibilizadas para 2 milhões de adultos de 55 a 59 anos de idade, além de professores de escolas públicas e privadas.

Ainda assim, pessoas que pertencem a outros grupos, mas ainda não foram imunizadas, podem e devem comparecer aos postos. Alerta especial é para mães e menores de seis anos, grupos que ainda têm cobertura vacinal inferior a 20%.

A terceira etapa começou no dia 11 e foi dividida em duas fases, com o objetivo de reduzir aglomerações para reforçar a prevenção à covid-19. No entanto, até a última quinta-feira, compareceram aos postos somente 430.872 crianças (14,1% de cobertura vacinal), 79.654 gestantes (17,7%) e 13.663 puérperas (18,4%). Também foram aplicadas doses em 9.216 pessoas com deficiências.

Embora o prazo inicial para estes grupos fosse 17 de maio, as doses ainda serão disponibilizadas a quem comparecer aos postos, visto que a meta é alcançar pelo menos 90% de um total de 3 milhões de crianças de 6 meses a menores de 6 anos de idade, 451,1 mil gestantes e 74,1 mil puérperas (mulheres que deram à luz nos últimos 45 dias).

Historicamente, a adesão é contida entre mães e menores. Neste ano é um pouco melhor em comparação ao ano passado, mas ainda aquém do que é preciso. Em 2019, a campanha começou em 10 de abril, e em seis dias só havia alcançado 13,1% das crianças, 18,7% das grávidas e 21,4% das puérperas.

META É 15 MILHÕES
Em toda a campanha deste ano, São Paulo pretende vacinar 90% da população-alvo de 15,4 milhões de moradores contra o vírus Influenza.

Até o dia 14, 10,5 milhões estão vacinados. Já foi atingida 100% de cobertura com a imunização dos seguintes públicos: 5,6 milhões de idosos; 1,3 milhão de profissionais da saúde (100%) e 5,8 mil indígenas.

Ainda é necessário vacinar no mínimo mais 250 mil pessoas com doenças crônicas, pois apenas 1,8 milhão foi alcançado, o que corresponde a 80% do total imunizado no ano passado.

Também estão protegidas 185 mil pessoas do sistema prisional, 146,1 mil profissionais das forças de segurança e salvamento; 97,7 mil caminhoneiros; 55 mil motoristas de transporte coletivo; e 6,8 mil trabalhadores portuários.

EM PIRACICABA
Desde o dia 23 de março, quando começou a campanha, Piracicaba já vacinou 88.533 pessoas.

A partir de ontem, todos os postos de saúde do município vão atender a população em seus horários habituais (CRABs e UBSs, das 8h às 15 h, e USFs, das 8h às 16 h). Para evitar aglomerações, os profissionais das unidades vão auxiliar na organização da fila para que as pessoas mantenham distância de aproximadamente um metro uma das outras. A exemplo do Estado, a campanha em Piracicaba vai até o dia 5 de junho.

A exemplo das demais fases, a meta do Governo do Estado é vacinar pelo menos 90% de cada um desses grupos, sendo que a população de adultos de 55 a 59 anos no município é de 17.076. Já os professores não possuem população estimada, por isso, não é possível indicar a meta de cobertura vacinal.

Vale ressaltar que os grupos prioritários pertencentes às duas primeiras fases podem receber a vacina até o encerramento da campanha. São eles: idosos, profissionais de saúde, doentes crônicos, profissionais de salvamento e segurança, caminhoneiros, motoristas de transporte coletivo, funcionários do sistema prisional e população privada de liberdade.

BALANÇO
De acordo com balanço divulgado na última sexta-feira pelo Setor de Imunização da Vigilância Epidemiológica, já foram vacinados 51.739 idosos ou 111,93% de cobertura e 11.663 trabalhadores da saúde ou 95,12% de cobertura, superando a meta preconizada pelo Governo do Estado de São Paulo para o município.

Com relação aos grupos prioritários da segunda fase, segundo o balanço, já foram vacinados em Piracicaba: 1.070 profissionais de salvamento e segurança; 604 caminhoneiros; 185 funcionários do sistema prisional; e 2.912 pessoas pertencentes ao grupo de população privada de liberdade. Esses grupos não possuem população estimada, por isso, não é possível indicar a cobertura vacinal.

Na primeira etapa da segunda fase, já foram vacinados 4.443 crianças de seis meses a menores de seis anos de idade (17,44%), 729 gestantes (19,33%) e 183 puérperas até 45 dias (29,53%).

A vacina não imuniza contra o novo coronavírus (Covid-19). A composição da vacina é estabelecida anualmente pela OMS (Organização Mundial de Saúde), com base nas informações recebidas de laboratórios de referência sobre a prevalência das cepas de vírus circulantes no inverso Europeu, que antecede ao Brasileiro.

PANORAMA NACIONAL
De acordo com balanço divulgado no sábado pelo Ministério da Saúde, o Brasil registrou 485 novas mortes pelo novo coronavírus nas últimas 24 horas, totalizando 16.118.

Até este dia, eram 15.633 mortes notificadas. A letalidade (número de mortes pela quantidade de casos confirmados) da doença no país estava em 6,7%.

O país teve 7.938 novos casos confirmados e chegou ao total de 241.080. Até o sábado, eram 233.142 infectados.

O número de recuperados, de acordo com o boletim diário do Ministério da Saúde, chegou a 94.122, 39% do total de infectados. Outros 130.840 casos (54,3%) estão em acompanhamento. Há ainda 2.450 mortes em investigação.

Beto Silva