Cemitério da Vila Rezende vai ter 118 túmulos em lóculos verticais

Jazigos custam de R$ 4,3 mil a R$ 8,6 mil na Vila (Foto: Amanda Vieira/JP)

O cemitério da Vila Rezende terá mais um bloco. De acordo com a Prefeitura de Piracicaba, o contrato para a construção de 118 novos lóculos no Bloco D já foi assinado por meio do setor de Obras da Sedema (Secretaria Municipal de Defesa do Meio Ambiente). A obra, com valor de R$ 190.657,75 deve começar “em breve” e visa melhor gerenciamento do espaço do local.

Após a conclusão da obra – que terá prazo de 120 dias para execução, o cemitério da Vila Rezende terá um total de 472 lóculos. A empresa responsável pela obra é a JM Construtora e Marmoraria Ltda, a vencedora do edital de concorrência nº 22/2020 que terá a obrigação de construir 118 “lóculos/gavetas pré-moldados em pedra ardósia”.

Construídos a partir de 2016, os Blocos A, B e C de lóculos compõem um cemitério vertical dentro do cemitério da Vila Rezende. Os lóculos são compartimentos em forma de gavetas onde os corpos são sepultados. Além de serem uma solução para a falta de espaços em cemitérios, os lóculos são dispositivos “ambientalmente corretos” pois não contaminam o solo e nem o lençol freático, conforme observa a Sedema.

“Estamos trabalhando em conjunto com as funerárias e a Secretaria de Saúde, sempre visando atender as necessidades do município, respeitando as pessoas e o meio ambiente”, afirma o secretário municipal de Defesa do Meio Ambiente, José Otávio Menten.

Cada bloco tem cerca de 70 metros quadrados, onde estão dispostos 118 lóculos, explica o engenheiro Márcio Antônio Maruko, chefe da divisão de Obras da Sedema. “A vantagem desse tipo de dispositivo é a otimização de espaços dentro dos cemitérios”, analisa.

Segundo Maruko, os lóculos são totalmente lacrados com “dois fechamentos, um interno com pedra ardósia, que é impermeável, e outro externo com granito”. Além disso, cada unidade/lóculo possui um sistema (tubulação e um compartimento com carvão ativado) que realiza a filtragem do odor.