Móveis foram colocados para secar em frente às casas. (Crédito: Claudinho Coradini/JP)

Era por volta de meio noite quando a água invadiu a casa da cuidadora de idosos Ana Paula de Souza, 31, no bairro Morumbi. Em questão de segundos, a maior parte dos móveis da casa estava encharcada. Na manhã de ontem, a cena de móveis molhados na calçada e lama nas ruas se repetia nos bairros às margens do ribeirão Piracicamirim e córrego Água Branca, como é o caso do Maracanã e do Bosque Água Branca, respectivamente.


De acordo com a prefeitura, os bairros mais atingidos foram Maracanã, Piracicamirim, Morumbi, Bosque da Água Branca e Rua do Porto.
Na Rua do Porto, o que incomodou quem passou pela altura do Largo dos Pescadores foi o cheiro de esgoto. A reportagem do JP foi até o local e verificou um bueiro que vazava lançando dejetos em uma boca de lobo com acesso direto ao rio.


De acordo com a Defesa Civil, o rio Piracicaba chegou a 5,08 metros durante a madrugada e invadiu trecho da avenida Alidor Pecorari, que precisou ser fechada. O rio extravasa quando atinge 4,7 metros.


“Quando chegamos aqui estava alagado, mais ou menos 9h, mas estava baixando bem rápido”, conta Leonardo de Cesaro, gerente comercial no Centro Gastronômico. “Dá impacto, primeiro que não passa carro, pessoas também acham que está alagado e não descem. Pra gente é péssimo isso”, pontua.


Ana Paula conta que a água que invadiu sua casa veio das bocas de lobo da rua Bento Ferraz de Arruda – no Maracanã, que não aguentaram o fluxo. Com isso, também dejetos entraram na casa. “Muita urina, fezes boiando”, lembra. “Meia noite e meia, trinta segundos, de 30 centímetros foi para um metro e meio. Muito rápido. Eu com criança, perdi tudo, está tudo aqui [na calçada]. Tenho só uma geladeira e um fogão”, continua Ana Paula.

“Ninguém avisou, foi uma coisa repentina. […] Queria que a câmara [dos vereadores] e a prefeitura viessem aqui ver e fizessem uma doação de colchão pra gente dormir”, exclama.


Em nota, a prefeitura informou que a Defesa Civil orientou aos moradores que deixassem suas casas, mas esses preferiram não deixar o local.


No bairro Bosque da Água Branca, a água das bocas de lobo da rua Porto Alegre também invadiu a casa da cuidadora de idosos Jaqueline Alexandre, 48. “Alagou tudo, ficou na altura da canela, estamos limpando desde ontem”, conta.


A Defesa Civil continua em alerta, pois a previsão de chuva para terça-feira era de 49 mm, conforme informou a prefeitura.

Pessoas ainda faziam a limpeza das casas ontem pela manhã. (Crédito: Claudinho Coradini/JP)


Em nota, concessionária Mirante informou que não foi registrada ordem de serviço via Central de Atendimento ao Cliente do Semae e “só obteve conhecimento da situação, ao ser acionada por este veículo de comunicação” e que “equipe técnica foi enviada ao local para avaliar a procedência do problema e após o diagnóstico tomar as providências cabíveis”.

Andressa Mota
[email protected]

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

cinco + vinte =