Cidade deixou de arrecadar R$11,5 milhões de ICMS em abril

Queda é de 29% na arrecadação do imposto (Foto: Amanda Vieira/JP)

Queda é de 29% na arrecadação do imposto (Foto: Amanda Vieira/JP)

As receitas do município já sentem a crise econômica em decorrência da pandemia do novo coronavírus. Com apenas as atividades essenciais em funcionamento no comércio, em abril Piracicaba deixou de arrecadar R$11,5 milhões de ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços). A queda, se comparada ao mesmo mês do ano passado, é de 29%, de acordo com dados da Secretaria Municipal de Finanças.




O total do valor de ICMS arrecadado no mês passado foi de R$28,2 milhões. No mesmo mês do ano passado, o montante havia chegado a R$39,7 milhões.

Com o prolongamento da quarentena até 31 de maio, a expectativa do Estado para a arrecadação do imposto em Piracicaba é ainda menor.

Segundo informou o secretário de desenvolvimento econômico, José Antônio de Godoy, o Estado avalia que vai arrecadar R$22,3 milhões do imposto na cidade neste mês. “Menor atividade econômica, menor geração de renda e consequentemente, menos imposto gerado e a pagar, lembrando que o ICMS é um imposto sobre a atividade econômica das empresas’, explica Godoy.

Nota da Prefeitura informa ainda queda na arrecadação de outras tributações. “As principais receitas tributárias e de transferências – ICMS, ISSQN, IPVA, IPTU, ITBI e FPM – tiveram queda de 21,5%, em média, na arrecadação, comparado ao mesmo mês do ano passado”, diz a nota.

Para Homero Scarso. gerente regional em Piracicaba do Ciesp (Centro das Indústrias do Estado de São Paulo), a atividade industrial de Piracicaba contribuiu para que a arrecadação do ICMS na cidade não fosse ainda menor em abril. “A atividade industrial de Piracicaba minimizou a queda do ICMS, porém com quase dois meses do fechamento, teremos em maio maior queda na arrecadação”, avalia.

Scarso lembra que as indústrias também já sentem a crise. “Boa parte da indústria trabalhou, porém está com uma capacidade produtiva bastante prejudicada”, enfatiza. “Foi o pior mês de venda de veículo dos últimos tempos. Se olhar pra trás, temos quase todas as montadoras paradas, isso reflete nos revendedores também. Todo mundo foi impactado de uma maneira menor ou maior os números estão aí”, avalia.

Depois do ICMS, a maior queda em valor de arrecadação foi no IPVA. De acordo com a nota da Prefeitura, em abril de 2019 foram arrecadados R$3,4 milhões. No mesmo mês deste ano, foi R$ 1,6 milhão. Uma queda de 50,7%.

Após a pandemia, o cenário para a retomada da economia também é de dificuldades. “Após a abertura de forma gradual, você vai ter uma retomada bastante lenta. Muitas empresas provavelmente não terão oxigênio para passar muito tempo, provavelmente essa retomara será lenta”, lembra Scarso.