Cinema e concerto drive-in são alternativas de entretenimento

Assistir a filmes de dentro do carro, como na década de 1960, mas com tecnologia futurista. (Foto: Claudinho Coradini/JP)

Cinemas, teatros, museus, escolas de música e casas de shows, todos foram fechados devido à alta facilidade de transmissão da covid-19. Desde então, profissionais da área têm buscado alternativas para garantir a subsistência por meio da arte. Entre as soluções para o setor cultural, uma tem ganhado cada vez mais espaço: o cine drive-in.


Em Piracicaba, desde junho, a empresa Via Brasil realiza sessões de cinema nesse formato. Os filmes podem ser assistidos de dentro do carro, na Arena Multi Espaço, no estacionamento ao lado do Clube Recreativo dos Metalúrgicos. “Além de retomar o lucro, é uma maneira de forçar um pouco a retomada do segmento de eventos”, diz Fernando Baboni, empresário e idealizador das sessões.

A partir do dia 9 de agosto, o mesmo espaço ganhará as duas primeiras sessões de concertos na modalidade cine drive-in. Trata-se de uma parceria entre a OSP (Orquestra Sinfônica de Piracicaba) e a SemacTur (Secretaria Municipal da Ação Cultural e Turismo). Cada apresentação terá espaço para 200 carros. Os ingressos serão gratuitos mediante a doação de três quilos de alimento não perecível em prol do Fundo Social de Solidariedade.

“Diante da retomada dos concertos no formato drive-in, a OSP espera dar a sua contribuição aos artistas que integram o seu elenco, como também às artes na cidade e na região”, afirma André Micheletti, diretor artístico associado da orquestra, que reúne, atualmente, 66 pessoas.

De acordo com Jamil Maluf, maestro, regente titular e diretor artístico, como entidade sem fins lucrativos e reconhecida como de utilidade pública estadual e municipal, a Associação da Orquestra Sinfônica de Piracicaba sempre contou com recursos públicos e privados. No entanto, ela não possui reserva financeira para arcar com os pagamentos mensais de seus instrumentistas.

“Há instrumentistas que recorreram ao auxílio do governo federal e os que aguardam os trâmites para o recurso previsto na Lei Aldir Blanc, mas a OSP entende que as medidas, embora emergenciais, são incapazes de resolver a crise que assola o setor cultural, que foi o primeiro a fechar e será o último a abrir”, declara.

Segundo Micheletti, parte dos músicos conseguiu readequar suas rotinas para o ambiente online, ministrando aulas remuneradas. É o caso do maestro e violinista Luis Fernando Fischer Dutra, 48 anos. “Todos os trabalhos coletivos que participo foram paralisados. Minha renda teve uma queda entre 60% e 70%. Por conta disso, tive que me reinventar e desenvolvi alguns cursos online”, diz.

Na tentativa de ajudar, a SemacTur disponibilizou dois editais prêmios para vários segmentos da cultura, dando a oportunidade aos artistas de mostrarem o seu talento e receberem pelo trabalho que deve ser realizado até dezembro. Um terceiro edital também foi aberto com ações virtuais transmitidas ao público em geral e que poderão compor o acervo da célula Misp (Museu da Imagem e do Som de Piracicaba).

“Estamos driblando as dificuldades e buscando atender com editais a classe artística que foi uma das mais afetadas nesta pandemia. Todos estamos na expectativa de que tudo melhore e retorne tão logo”, traz nota da secretaria de Cultura.

VIRTUAL
Por conta da pandemia, o Salão Internacional de Humor será realizado virtualmente entre os dias 29 de agosto e 29 de setembro. Com o aval do Conselho Consultivo e do presidente desta edição, Paulo Bonfá, os júris de seleção e premiação neste ano serão realizados de forma remota e a exposição será virtual. O FentePira, geralmente realizado em novembro, também deve seguir o mesmo modelo.

Ana Carolina Leal

Especial para o JP

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, entre com seu comentário!
Por favor, entre com seu nome

2 × um =