Cirurgiã dentista dá dicas para uma boca saudável e orienta sobre hábitos que afetam os dentes

Foto: Arquivo Pessoal

Ingestão de alimentos ricos em açúcares sem uma boa higienização oral pode causar riscos à saúde

Ter uma boca saudável, sem mau hálito, e dentes brancos e bonitos envolvem uma série de medidas do cotidiano que vão além da higienização diária. Hábitos inadequados também afetam a saúde bucal. O JP consultou a cirurgiã-dentista da Uniodonto, Andrea Costa Oliveira, sobre o assunto e ela explicou que uma boca limpa passa por três pilares: “a técnica utilizada, os instrumentos que você utiliza e a frequência da escovação”. “É importante ter uma escova de boa qualidade, de cerdas macias e com o tamanho da cabeça adequado a sua arcada dentária, além de usar o creme dental indicado pelo seu cirurgião-dentista e fazer o uso do fio dental todos os dias”, diz a especialista.

Em relação aos hábitos inadequados que podem afetar a saúde dos dentes e da boca, Andrea lista vários. O tabagismo é um dos mais prevalentes. “Considerando todas suas formas, como o por exemplo o cigarro tradicional, narguile, vape (cigarro eletrônico), entre outros, devido a nicotina e outros componentes prejudiciais que estão presentes na composição destes”. Ela diz que é importante fazer uma boa higienização oral após a ingestão de qualquer alimento, principalmente os que contém açúcar, e que o consumo de bebida alcoólica com alta frequência também é prejudicial à boca e aos dentes. “O uso do palito de dentes, embora antigamente muito difundido, agride a gengiva e pode gerar lesões; morder objetos ou abrir garrafas, frascos e sachês com os dentes também é prejudicial, além de roer as unhas. E no caso das crianças, é necessário evitar alguns hábitos nocivos, como por exemplo, chupar o dedo, chupeta e fazer o uso da mamadeira à noite, indo dormir sem escovar os dentes e higienizar a boca. Se não higienizarmos a boca da criança após a mamadeira, antes dela se deitar, esta pode vir a ter o que chamamos de cárie de mamadeira”, diz Andrea.

O JP também questionou sobre o uso do raspador de língua e dos enxaguatórios bucais. O primeiro, cita a dentista, “gera controvérsia”. “Porém, quando usado da maneira adequada, ele é excelente para higienização oral, pois consegue remover a placa bacteriana e a saburra lingual que fica na superfície da língua. Ele deve ser usado com cuidado e de forma suave, desta forma consegue remover toda a placa bacteriana que inclusive pode causar o mau hálito”. Já sobre os enxaguatórios, ela orienta que se deve ter cuidado com os que possuem álcool e que tenham na composição uma substância chamada clorexidina – que é um antimicrobiano oral. “Este último pode, inclusive, causar manchamento dos dentes. Por tanto, para usar enxaguatório é necessário que você converse com seu cirurgião-dentista para que este te indique qual é o mais adequado para você. Lembrando que: um enxaguatório quando não acompanhado de uma boa escovação dentária e uso do fio dental, além de ser ineficiente, pode prejudicar sua higiene bucal em vez de auxiliá-la”, explica.

MAU HÁLITO
Um problema que causa constrangimento e, em casos mais graves e contínuos, isolamento social, é o mau hálito. A dentista diz que o mau hálito é multifatorial e que, primeiramente, é preciso ter uma boa escovação para evitar o cheiro ruim vindo da boca. “Fazer o uso do fio dental e manter a língua bem higienizada também evita o mau hálito. Pessoas que fazem uso de aparelho ortodôntico móvel ou de alguma prótese móvel devem se atentar à higienização adequada. Muitas vezes, o tipo de alimentação pode influenciar no seu hálito também, assim como algumas doenças que você possa vir a ter. Então é sempre bom fazer uma consulta com seu cirurgião-dentista para saber qual a causa do mau hálito e quais os tratamentos adequados para resolvê-lo”.

Nani Camargo
Especial para JP

LEIA MAIS

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, entre com seu comentário!
Por favor, entre com seu nome

quatro × três =