Coisas que você não sabe sobre viagens e podem te salvar

Foto: Pixabay

Da escolha da mochila à como viver viajando: confira cinco dicas que vão te ajudar na viagem

O final do ano se aproxima e algumas pessoas já começam a pensar nas férias, e quais viagens farão. Na famosa “lista de desejos” há o ímpeto de viajar mais pelo próprio País e fora dele. Todavia, com tantas opções de destinos e apps que facilitam o planejamento, vêm também as dúvidas e receios. Afinal, muitos nunca viajaram sozinhos(a) e querem ter essa experiência, outros querem se aventurar acampando, alguns querem fazer trilhas, outros planejam um intercâmbio, e fica difícil optar pela viagem que traga mais ganhos.

Para ajudar você a tirar do papel a sua viagem e ainda de “quebra” te munir de informações curiosas, a Minds Travel lista 5 curiosidades que podem realmente fazer a diferença na sua viagem:

1) Segunda-feira: dia preferido do brasileiro planejar viagens

Começar a semana, arregaçar as mangas, e trabalhar. Essa trinca pode ser o sinônimo do que é a segunda-feira para alguns brasileiros. Para outros, além das obrigações, o lazer também conta! Segundo estudo realizado pelo Kayak, os brasileiros começam a semana planejando uma viagem de curto, médio e/ou longo prazo e gastam cerca de três minutos e meio buscando a melhor hospedagem. A maioria dos indivíduos iniciam os seus planos de viajar na segunda. O que acontece é que com tantas opções de apps, roteiros e alertas muitos acabam “perdendo dinheiro”, ficando confusos e não optam pelo pacote certo. Por isso, seja na segunda ou em qualquer outro dia da semana, aconselho procurar sempre um agente de viagens. Os agentes conseguem as melhores tarifas porque trabalham com um volume maior do que uma pessoa física planejando sozinha a sua viagem. Além disso, tem o conhecimento técnico, as dicas dos melhores lugares, e experiências com os locais. A. Maioria dos agentes viajam pelas agências e sentem na “pele” o destino. Nada como aprender e ouvir com quem já esteve no destino que queremos vivenciar!

2) No universo das mochilas: o sexo é importante

Quando se trata das mochilas para os famosos “mochilões”, o sexo é importante. Isso porque há diferença entre a estrutura corporal entre homens e mulheres. Outrora, as mochilas eram mais “pesadas”, de metal, e não tinham muitas opções. Com a tecnologia muitas marcas estão investindo no aperfeiçoamento e com tantas opções tendemos a ficar um pouco perdidos no momento da escolha. Por isso, dou três dicas importantes nesse item: Compre a mochila de acordo com o seu sexo (o tronco masculino tende a ser maior, as mulheres tem mais seios e por isso alças mais finas são essenciais, entre outras diferenças que trarão mais conforto para você. Lembre-se que as mochilas devem respeitar o seu quadril, altura, etc); prove antes de adquiri-la (encha a mochila na loja com agasalhos e/ou outros itens. Faça a simulação do peso. Lembre-se que a mochila será a sua casa pelo período de viagem); e opte por uma de no máximo 50 litros (no universo das mochilas, a capacidade é medida em litros). Alguns especialistas apontam que o ideal é carregarmos na mochila e/ou cargueira 10% do próprio peso e/ou 1/4 do seu peso. No mochilão a premissa de menos é mais, vale muito e deve ser seguida.

3) Hiking e trekking não são sinônimos de caminhada

Fazer trilhas já caiu no gosto dos brasileiros, porém esses dois termos são bem diferentes na prática e precisam de atenção caso você queira incluí-los na programação da sua viagem. Ambos exigem do participante que caminhem ao ar livre, porém a intensidade e o período variam de um para o outro. O hiking consiste na exploração da natureza por um trecho demarcado pelo homem, normalmente guiado, e é o famoso “bate e volta”, ou seja o indivíduo volta pelo mesmo percurso da ida, e não adormece na natureza. Geralmente acontece dentro de parques ecológicos e não exige tanto esforço físico. Já o trekking envolve pernoitar na natureza, acampando, em sacos de dormir, tendas, entre outros. Exige um preparo físico, pois os locais a serem percorridos trazem obstáculos e por isso a mochila desse indivíduo deve ter além de alimentos e itens para adormecer no local, um kit de primeiros socorros e conhecer algumas técnicas de sobrevivência. É importante que o viajante leve bússola, lanterna e mapas. Uma dica legal é começar praticando hiking e caso realmente goste comece a praticar trekking. Sugiro sempre começar em grupos, afinal tratam-se de esportes que é preciso ter noção espacial.

4) Despachando o que não precisa

Muitos brasileiros ficaram impactados com as novas tarifas aéreas para bagagens despachadas. De acordo com a nova lei podemos levar até 10 kg na bagagem de mão. Mais do que esse limite já há taxa extra e elas costuma ser “salgadas”. Assim, essa curiosidade é importante para quem vai fazer mochilões e também para quem vai fazer uma viagem programada em hotéis. Faça uma autoanálise antes de começar a fazer as suas malas. Quantas vezes você usa a mesma calça antes de colocá-la para lavar? Ou mesmo um vestido/short/blusa? Pesquise sobre o destino: será que não compensa comprar um casaco mais pesado lá? Que tal calcular o que irá usar de shampoo, condicionador e outros itens de higiene, e colocá-los em compartimentos menores. Lembre-se que além do peso, o volume dos itens também interfere no manejo da mala. Caso tenha exagerado nos itens e vai ficar uma temporada no País destino: despache o que não for usado.

5) O hobbie de viajar pode virar o seu trabalho e ajudar milhares de pessoas

Parece ser o sonho de todas as pessoas, mas o sonho está ficando cada vez mais palpável. Quando viajar se torna um hábito, o indivíduo se torna mais apto para novas profissões e ofícios. Isso porque ele passa a ter contato com outras culturas, formas de pensar e até a refletir sobre as formas de troca de trabalho. Por isso, o número de blogs/sites/redes sociais/Youtube de viagens só está aumentando.

Fonte: Lorena Peretti, especialista em viagens

LEIA MAIS

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, entre com seu comentário!
Por favor, entre com seu nome

cinco + 8 =