Acusado de matar e enterrar corpo de empresário é preso

Um homem de 26 anos foi preso, após ser acusado de matar e enterrar o corpo do empresário piracicabano Mário Gilberto Penatti, na chácara de propriedade da vítima, em São Pedro. Policiais civis da 3ª DHPP/Deic (Delegacia de Homicídios e Proteção a Pessoa da Divisão Especializada de Investigações Criminais descobriram que o suspeito trabalhava na propriedade do empresário e teria confessado sua participação no crime.

A delegada Juliana Ricci, da DHPP disse que o suspeito teria indicado o local, onde teria enterrado o corpo da vítima. “Os policiais só encontraram o corpo da vítima, após a indicação do investigado, caso contrário não conseguiríamos, pois estava em uma cova com aproximadamente dois metros de profundidade. Foi necessário a utilização de uma máquina”, disse a delegada.

INVESTIGAÇÃO
Os policiais já sabiam que o empresário estava desaparecido há 20 dias, mas nenhum registro de desaparecimento havia sido registrado. “Os policiais foram até a casa da vítima, mas ninguém foi encontrado. Prosseguimos com a apuração e conseguimos chegar até ao investigado, que trabalhava na chácara da vítima. Ele confirmou que matou a vítima, após uma discussão”, afirmou Juliana.

O suspeito foi flagrado pela polícia com vários pertences da vítima e inclusive, conseguiram confirmar que ele se passava pelo empresário, pois conseguiu vender uma moto da vítima no valor de R$ 15 mil. Ele também conseguiu trocar o veículo da vítima, por outro inferior e recebeu uma quantia em dinheiro.

“Antes da localização do corpo, o investigado conversou com a ex-esposa da vítima e trocou mensagens com os investigadores que apuravam o caso”, enfatizou a delegada. Os peritos do IC (Instituto de Criminalística) estiveram na chácara do empresário para o levantamento das circunstâncias do crime e depois o corpo da vítima foi encaminhado ao IML (Instituto Médico Legal) para confirmar a causa da morte. “Apesar de todos os indicativos sobre a identidade da vítima, serão realizados exames para comprovar a identidade, pois o corpo já não estava em bom estado”, afirmou a delegada, que estima que a vítima foi morta há duas ou três semanas.

Juliana disse que o suspeito teve o mandado de prisão temporária decretado por 30 dias, mas pode ser prorrogado pelo mesmo período ou convertida em preventiva. “Teremos muito tempo para aprofundar nas investigações sobre o caso”, completou a delegada.

EMPRESÁRIO
A vítima atuou por muitos anos, no segmento de lojas de piscinas, em Piracicaba, mas recentemente, os negócios estavam sendo administrados pela família.

LEIA MAIS

Cristiani Azanha

[email protected]

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, digite o seu comentário!
Por favor, entre com seu nome

três × 1 =