Com 81% dos alunos, Rede Municipal completa 1º mês de retomada de aulas presenciais

Foto: Divulgação

Em média, 29.396 estudantes dos 36.154 atendidos frequentam voltaram às escolas

A Secretaria Municipal de Educação completou ontem, quinta-feira, (02), um mês de retomada das aulas presenciais na Rede Municipal de Ensino com a frequência de 81% dos alunos em sistema de rodízio e distanciamento. De acordo com a Pasta, em média 29.396 alunos dos 36.154 atendidos pela Rede estão frequentando as salas de aula. Todas as escolas estão seguindo os protocolos sanitários contra o coronavírus, de acordo com o Plano São Paulo, com a capacidade diária de 50% das crianças que os pais optaram pelo retorno.

Para o secretário de Educação, Gabriel Ferrato, três pontos são fundamentais nessa retomada: a confiança dos pais nas escolas e nos protocolos, que englobam o uso de máscara, distanciamento, álcool em gel e higienização constante das mãos, aferição da temperatura e tapetes sanitizantes; a volta entusiasmada dos profissionais da educação e a alegria das crianças em reencontrarem seus professores e amigos.

O secretário evidencia que o grande desafio dessa retomada para a Rede Municipal no ensino fundamental é a alfabetização dos estudantes e todos têm atuado em conjunto para acolher os alunos. “Se a alfabetização fica comprometida, isso reflete no restante do ensino, porque é a base da vida escolar das crianças. Então esse é o grande desafio que está colocado para a rede e nossos profissionais estão dando uma boa resposta”, afirma Ferrato.

Para cumprir os protocolos, o rodízio dos alunos é feito para atender às necessidades dos alunos depois de quase um ano e meio longe da sala de aula. O ensino fundamental (5º ao 9º ano) recebe, na segunda e terça-feira, os estudantes que têm mais facilidade em compreender o conteúdo e acompanhar as aulas remotamente. Já na quarta, quinta e sexta-feira é a vez daqueles que não conseguem acompanhar o ensino remoto e precisam de reforço para fixar o conteúdo. Na pré-escola Jardim I e Jardim II, o critério para o rodízio é a vulnerabilidade dos estudantes e essa análise fica a critério de cada escola. Por fim, na creche, que compreende berçário I e II e maternal I e II, não há rodízio. Essa etapa iniciou a retomada com 35% da capacidade e avançou na última segunda-feira, 30 de agosto, para 50%.

“A gente retomou o ensino presencial nesse semestre, mas já estava desde o 1º semestre trazendo as crianças para a escola. E o que a gente percebe? Em relação ao ano passado, ao primeiro semestre e agora – que o retorno está com mais dias, mais crianças na escola – é que eles avançam na escrita, na matemática”, avalia a diretora da EM Profª Elisabeth Consolmagno Cruz, que atende ao ensino fundamental, Juliana Morato Rosada Possignolo. “É a escola que faz toda diferença na aprendizagem”, enfatiza.

Vinccenzo Keneddy Soares de Oliveira, 7 anos, aluno do 1º ano do ensino fundamental, aprovou o retorno e está focado nas atividades propostas. “Aqui tem muitos amigos, gosto de brincar e minha atividade favorita é matemática, porque tem bastante atividade”, conta.

SOCIALIZAÇÃO – Sendo a escola, além da família, um dos principais pontos de referência para a socialização das crianças, a retomada das aulas presenciais também contribui para esse fim, que é fundamental no desenvolvimento delas. Giovana Dezorzi Oliveira de Souza, diretora da EM Profª Diva Araújo de Lemos, que atende a educação infantil, conta que vê na alegria das crianças a importância da retomada.

“A gente desenvolve, na educação infantil, habilidades importantíssimas. A criança precisa, primeiro, conhecer o seu corpo, ela aprende brincando, por exemplo, qual é o lado direito e esquerdo. E nesse período a criança já tem contato constantemente com a leitura e com a escrita. Os maiores ajudam as professoras a escrever bilhetes. E o contato com histórias eles têm desde o berçário. Eles vão desenvolver o encantamento pelas histórias e isso vai facilitar o futuro leitor”, avalia Giovana.

Os alunos Pedro Simon e Isadora Rasera Godoy, ambos de 3 anos, por exemplo, frequentam o maternal II e sempre estão prontos para explorar o ambiente da escola. Pedro retornou ao presencial há 1 mês e adora compartilhar com os outros alunos os nomes dos dinossauros que têm sempre na ponta da língua. Já Isadora retornou anteontem, (01), e não via a hora de brincar no parquinho.

Além da socialização, Giovana lembra que a escola também é fundamental na rotina alimentar das crianças. “A questão da alimentação, o aprender a se alimentar. Nós temos bebês que lá no berçário, em 2019, se alimentavam praticamente de tudo, comida de verdade, pois nosso cardápio é feito por nutricionista: arroz, feijão, carne, vegetais, frutas. Aí chegou a pandemia. Então acho que desestruturou essa rotina das crianças. Então agora é hora de uma reeducação alimentar”, comenta.

MERENDA – Após a primeira empresa colocada no processo de contratação emergencial para oferta da merenda ter desistido na semana anterior ao início de vigência do contrato, a segunda colocada – Nutriplus – assumiu o contrato emergencial em 20 de agosto. Devido ao processo de adaptação, ocorreram diversos problemas pontuais, porém a Secretaria Municipal de Educação lembra que apenas duas escolas municipais (EM Profª Olivia Capranico e EM Geraldo Bernardino) precisaram dispensar os alunos e ficaram no atendimento remoto apenas no período da tarde do dia 23 de agosto por problemas na oferta da merenda. Ao todo, a Rede Municipal tem 124 escolas. A Pasta lembra que notifica a Nutriplus a cada problema detectado e que, nesta segunda semana de vigência do contrato, o serviço está se normalizando.

COVID-19 – Com os protocolos sanitários contra o coronavírus, a retomada presencial das aulas está sendo segura, tanto para funcionários quanto para alunos. De acordo com a Secretaria Municipal de Educação, por meio de boletim do Sesmt (Serviços Especializados em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho), durante agosto, a Pasta apresentou apenas 16 casos positivos entre funcionários, em um universo de 3.928 funcionários, sendo que mais de 2.000 são professores. Com relação aos alunos, de acordo com o Departamento de Saúde Escolar, foram registrados 10 casos positivos de 02 de agosto a 02 de setembro (em média, 29.396 alunos frequentaram o presencial nesse período).

Da Redação

LEIA MAIS

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, entre com seu comentário!
Por favor, entre com seu nome

10 + 9 =