Com três dias de chuva em setembro, a situação do corpo d’água piorou; Corumbataí também preocupa. (foto: Amanda Vieira/JP)

O rio Piracicaba está com vazão em 40 metros cúbicos por segundo, conforme medição do Consórcio das Bacias PCJ (Piracicaba-Capivari-Jundiaí). De acordo com o órgão, há exato um ano a vazão verificada era de 59 metros cúbicos de água por segundo.

A estiagem é o fator determinante para a baixa vazão, segundo informou o coordenador de projetos do Consórcio, José Cézar Saaad. “A vazão está baixa por causa da época do ano, mas não chega a ser crítica”, pontuou. Segundo ele, com as poucas chuvas do mês de agosto e apenas três dias de precipitação em setembro, a situação do corpo d’ água piorou.

No acumulado do mês o índice de chuva foi de 28 milímetros sendo que a média é de 71 milímetros . “Em termos de chuva Piracicaba está mais de 50% abaixo da média histórica”, afirmou.

A estiagem também é preocupante no rio Corumbataí, principal ponto de captação de água de Piracicaba por meio do Semae (Serviço Municipal de Água e Esgoto). Segundo Saad, dos 62 milímetros previstos para a época, até o momento foram 33 milímetros de chuva.

Em contrapartida, segundo o coordenador de projetos, o volume armazenado no Sistema Cantareira, está suficiente, mesmo com a liberação dos 10,5 metros cúbicos de água para o rio Piracicaba.

CENÁRIO

Com o leito baixo do Piracicaba os bancos de areia e pedras já são visíveis em vários trechos. Há 15 dias quatro toneladas de peixes morreram no Canal Torto, na região de Ártemis. O fato foi denunciado pelo Instituto Beira Rio. A Cetesb (Companhia Ambiental do Estado de São Paulo) apontou como causa da mortandade, na época, a falta de oxigênio nas águas do rio.

Segundo Saad com a estiagem, o despejo de efluentes e com menos água, a qualidade da água fica prejudicada e não há oxigênio suficiente para a fauna, ocasionando desastres ambientais.

Beto Silva
[email protected]

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

quatro + 7 =