HFC registrou maior queda: 70,65%. (Foto: Amanda Vieira/JP)

O receio de contaminação pelo novo coronavírus tem feito com que pacientes não busquem atendimento médico durante a pandemia. Os hospitais Santa Casa de Piracicaba, Unimed e HFC (Hospital dos Fornecedores de Cana) registraram quedas de 37%, 42% e 70%, respectivamente, nos atendimentos ambulatoriais não relacionados à covid-19 nos últimos meses. Esse fato preocupa os médicos, pois a demora na busca por ajuda pode agravar quadros de doenças crônicas, por exemplo.

Os hospitais garantem que tomam todas as medidas para a não proliferação do vírus, como isolamento da área de pacientes infectados e uso de EPIs (Equipamentos de Proteção Individual) pelas equipes.

Segundo dados da Santa Casa de Piracicaba, em março e abril de 2019, o hospital registrou 17.959 atendimentos ambulatoriais. No mesmo período deste ano, foram 11.215, uma queda de 37%.

Dados do HFC mostraram a média de atendimento de março, abril e maio de 2019 comparando a média do mesmo período deste ano. De 5.401 atendimentos, caiu para 1.585, representando 70,65%.

Já no Hospital Unimed, segundo a assessoria de imprensa, houve uma “uma grande redução na procura dos atendimentos de porta no hospital em relação ao ano anterior, com diferença de 42%”.

O cardiologista Humberto Passos e coordenador da unidade coronária da Santa Casa de Piracicaba lembra que o isolamento social é importante contra a covid-19, porém é necessário que os pacientes que sintam sintomas de doenças crônicas procurem o atendimento médico o mais rápido possível.

O médico recorda de três casos durante a pandemia que chegaram ao hospital já bem complexos e só foi possível que não ocorresse uma fatalidade por terem buscado ajuda médica.

“Primeiro, esses pacientes devem manter o que foi orientado pelo médio que acompanha. Então tomar o medicamento regularmente é fundamental. Tem algum sintoma diferente? Cansaço, falta de ar, palpitação, dor no peito ou, quem tem aparelho de pressão em casa, aferiu e está elevada e não está bem contratada? Essas pessoas devem procurar o atendimento”, orienta Passos.

O cardiologista avalia que os hospitais da cidade, tanto SUS quanto privados, estão com estruturas adequadas para prevenir a contaminação dos pacientes pelo vírus.

O diretor técnico do HFC , doutor Miki Mochizuki, relata que muitos pacientes chegaram ao hospital quando o quadro de saúde já era grave, como com insuficiência respiratória, o que acarreta em internações prolongadas e até mesmo em UTI.

A Unimed orienta que os pacientes com casos não gripais ou febris procurem o hospital orientados pelo serviço de telemedicina no 0800 892-4888.

A enfermeira e responsável pela Gestão do Cuidado, da Santa Casa, Denise Lautenschlaeger, informa que os pacientes devem procurar o hospital quando apresentem febre que não passa, dores de cabeça que não cedem a analgésico, falta de ar não relacionada à covid-19, sinais de confusão mental, hipertensão sem controle ou qualquer trauma, como queda, perda de consciência, e dor no peito.

Andressa Mota

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

cinco × quatro =