Começa vacinação contra a Raiva

Saúde espera vacinar mais de 11 mil cães e gatos durante a campanha de 2019.

A partir de hoje, a Prefeitura de Piracicaba, por meio da Secretaria de Saúde, realiza até 6 de julho a Campanha de Vacinação Contra a Raiva na Zona Rural, para cães e gatos. O trabalho é
coordenado pelo CCZ (Centro de Controle de Zoonoses), com meta de imunizar 11 mil animais. No ano passado foram vacinados 10.313. A campanha para a Zona Urbana está prevista para setembro.

A cobertura será realizada durante a semana e aos sábados. Algumas regiões que não apresentam mais características rurais serão atendidas com postos fixos aos sábados e não
mais casa a casa, durante a semana. Todo material é descartável, e as vacinas, individuais, feitas por equipes formadas por vacinadores treinados. De acordo com o médico veterinário do CCZ, Paulo Lara, coordenador da campanha, é importante que os proprietários colaborem, prendendo seus animais previamente à visita das equipes. Ao levar aos postos de vacinação,
os cães devem ser conduzidos em guias e por adultos. No caso dos animais mais agressivos, é obrigatório o uso da focinheira. Os gatos devem ser transportados em caixas adequadas ou em sacos como os usados para embalar cebolas, para evitar fugas e possíveis acidentes.

DEVEM SER VACINADOS
Todos os cães e gatos a partir dos 3 meses de idade devem receber a dose. Animais doentes, em tratamento e debilitados deverão aguardar a recuperação e a alta do seu médico veterinário. As gestantes e com crias devem aguardar o desmame dos filhotes. Caso não dê tempo de vaciná-los durante a campanha, poderão ser levados posteriormente ao CCZ aos sábados, onde a vacina é
oferecida durante o ano todo.

“A vacinação é muito importante para prevenir a Raiva, uma doença que mata, transmitida pelos mamíferos, principalmente morcegos, que contribuem para circulação e manutenção do vírus em Piracicaba”, disse Paulo Lara. Segundo ele, neste ano já foram contabilizados quatro casos de raiva em morcegos não hematófagos, dos 161 enviados para análise laboratorial.

“Neste ano, o CCZ dará continuidade ao trabalho de vigilância aos ataques de morcegos hematófagos em herbívoros, com o objetivo de colaborar com o trabalho do EDA (Escritório de Defesa Agropecuária), órgão estadual responsável pelo controle da raiva destas espécies, possibilitando identificar possíveis abrigos de morcegos nas áreas rurais”, observou Paulo Lara.

Da mesma forma, segundo o veterinário, será realizada pesquisa de relatos de avistamento de primatas (macacos) vivos ou mortos, visando manter a vigilância à Febre Amarela no município. Em ambos os levantamentos, a população receberá orientações quanto à forma de prevenção das doenças e os procedimentos necessários, caso haja exposição aos riscos das doenças.

(Da Redação)