Comerciante teria afirmado que cliente gosta de ‘órgão sexual masculino’

Boletim de ocorrência foi registrado no plantão policial. (Arquivo/JP)

Um auxiliar de limpeza de 24 anos procurou a Polícia Civil para denunciar um caso de discriminação que sofreu dentro de um minimercado, no bairro Paulista, na tarde desta terça-feira (9). Um comerciante teria dito em voz alta que o cliente gosta de órgão genital masculino. Além de registrar o boletim de ocorrência, o auxiliar vai pedir uma indenização ao responsável pelo estabelecimento.
O advogado Luiz Gustavo Arruda Silva, que defende o ajudante, disse que além da indenização também entrará com um processo de queixa-crime, ou seja, para que o cliente também responda criminalmente sobre o caso.
“Ainda não definimos o valor que pediremos na Justiça”, afirmou o advogado.
O comerciante não foi localizado pela reportagem para comentar o assunto.
BO
Segundo o boletim de ocorrência, registrado no plantão policial, o ajudante foi até ao açougue do estabelecimento e perguntou se tinha linguiça caipira, o comerciante, que estava atendendo-o respondeu que não tinha, mas ofereceu uma linguiça com rúcula. O cliente teria respondido que não queria o produto e sem motivo aparente, o comerciante teria falado em voz alta que o cliente gostava de “órgão genital masculino”, enquanto ele “órgão genital feminino”.
O cliente teria advertido o acusado que “sua preferência sexual nada tinha com o motivo de estar lá”, cita no trecho do boletim de ocorrência, que foi registrado pelo delegado Airton Jaguanharo Correa.
Em seguida saiu do estabelecimento e compareceu ao plantão policial para relatar o ocorrido e tomar as providências que couber também na área cível.