Comércio tem abril negativo no emprego puxado por veículos

Crise e impacto no consumo atingem auto e moto

A má notícia também pega o setor de serviços, que encolheu em 124 postos de trabalho na cidade

O setor do comércio encolheu em 329 vagas de emprego no acumulado até abril, indica o Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados). Publicado nesta semana, o balanço mostra que 16.947 pessoas foram contratadas e 14.373 demitidas – gerando um saldo positivo de 2.574 admissões. Na mão inversa, e em ordem crescente, a construção ganhou 227 postos de trabalho; agropecuária 453; serviços 751 e a indústria 1.472.

Puxaram para baixo o comércio e manutenção de veículos e motos, demissões nos supermercados e hipermercados e quem trabalha com alimentos. Possivelmente, além do impacto da pandemia nos hábitos de vida e de consumo, o fechamento de fabricantes – como a Ford – tenha reflexo nos números de Piracicaba, diz Francisco Crócomo, professor de Economia da EEP (Escola de Engenharia de Piracicaba) e Fatep (Faculdade de Tecnologia de Piracicaba). “Pode ter ficado em dúvida a valorização e o comércio de peças para manutenção.”

ABRIL Analisando apenas o mês, a má notícia também pega o setor de serviços, que encolheu em 124 postos de trabalho. Mas abril foi mesmo um mês amargo para o comércio porque, do acumulado deste ano em redução de vagas (329), só no mês passado 214 vaga não tiveram uma nova recolocação de trabalhador. Em recuperação, no mês, ganhou a indústria com 308 de saldo entre demissões e contratações. Em segundo lugar agropecuária (125) e, na rabeira, mas positiva também, a construção civil (83).

Assustadores – e bem longe de uma recuperação em 2021 – são os números de abril do ano passado. No quarto mês de 2020, os setores de comércio e o serviço piracicabano juntos perderam mais de 1.500 postos de trabalho em apenas um período do ano. Ainda neste mês, em entrevista sobe balança comercial, o gerente regional da Ciesp, Homero Scarso, destacou ser praticamente impossível neste ano fazer reverter em positivo a ruína que os números de emprego revelaram em 2020. “É muito difícil recuperar tudo o que foi perdido em 2020, esse foi um ano ´fora da curva´.”

PERFIL

Os trabalhadores que só têm o ensino médio completo foram os mais atingidos pelo desemprego em abril. Eles somam quase 2.000 demissões em Piracicaba. Bem distante, mas em segundo lugar, também sofreram demissões as pessoas em ensino superior completo: 463 desligamentos. Os homens perderam mais emprego do que as mulheres: 2.121 contra 1.203, respectivamente. A respeito da faixa etária, os demitidos têm concentração de 998 pessoas na faixa dos 30 a 39 anos. Os cargos que mais desligaram foram produção de bens e serviços industriais e serviços, vendedores do comércio em lojas de mercado – 1.863 trabalhadores. O inverso, ou seja, as contratações seguem o mesmo perfil. Assim como os demitidos estão concentrados em quem tem ensino médio, homens, pessoas na faixa dos 30 anos e determinado cargo, o mercado de trabalho tem contratado o mesmo público para as mesmas funções.

Crsitiane Bonin

[email protected]

Leia Mais:

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, digite o seu comentário!
Por favor, entre com seu nome

3 × um =