Comércio vai abrir no feriado do Dia das Crianças

O comércio de Piracicaba vai abrir no feriado de Dia das Crianças, na próxima segunda-feira (12). O horário de funcionamento seguirá o decreto municipal que regulariza a reabertura das atividades econômicas da cidade e a convenção coletiva do trabalho.


As lojas do centro e dos demais corredores comerciais da cidade estão autorizadas a abrir das 10h às 16h. Já o horário de funcionamento do Shopping Piracicaba será das 12h às 20h.

Centro e demais corredores comerciais funcionam das 10h às 16h; shopping, das 12h às 20h | Foto: Claudinho Coradini/JP


De acordo com o Sincomércio (Sindicato do Comércio Varejista de Piracicaba e Região), no sábado (10), o comércio vai abrir no período estabelecido pelo decreto, das 8h às 16h. O presidente do sindicato, Itacir Nozella, afirma que, devido à pandemia, não haverá horário estendido antes das datas comemorativas enquanto o distanciamento social for necessário.


“O Sincomércio vê como muito positiva essa abertura. Nós tivemos que fazer uma adaptação [de horário] […] respeitando tanto a convenção coletiva como o decreto municipal”, comenta Nozella.

Com as restrições que a pandemia impõe em relação a viagens ou demais passeios – mais comuns em Dia das Crianças – , o Sincomércio acredita que neste ano os brinquedos terão mais espaço como forma de alegrar a crianças. Com isso, a expectativa é de crescimento de 2 a 3% nas vendas, se comparado ao mesmo período do ano passado.

LEIA MAIS:


“O Dia das Crianças, este ano, acho que vai ser a melhor data do ano em crescimento, em comparação ao ano passado. Acho que vai ser mais positiva que o Dia das Mães e mais positiva que o Dia dos Pais. […] Quando não tinha a pandemia, muitos pais utilizavam, às vezes, um passeio com as crianças, levada para o shopping, praia, festa. Nesse ano, acho que o presente vai ser uma opção melhor para a criançada”, comenta o presidente.


Com a abertura do comércio na data, o Sincomércio também aposta em aumento do movimento nos demais setores, como de vestuário e calçado. Além disso, com o valor do dólar mais alto, os produtos nacionais devem ganhar espaço em detrimento aos importados. “Os importados devem perder um pouco a força e os produtos nacionais vão ganhar um pouco mais destaque nesse momento”, destaca Nozella.

Andressa Mota

[email protected]

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, digite o seu comentário!
Por favor, entre com seu nome

dois + vinte =