Como o envelhecimento afeta os gatos

Na velhice é preciso certificar-se de que os gatos tenham acesso fácil a tudo que precisam: comida, água, caixa de areia e o brinquedo preferido. (Foto: Divulgação)

As atividades do dia a dia podem se tornar mais difíceis para os gatos mais velhos, especialmente se tiverem problemas de visão ou audição. Os gatos gostam de rotina e isso se torna ainda mais importante à medida que o tempo passa (e mais perceptível com o envelhecimento do cérebro). Mudanças em geral causam muito mais desconforto que antes.

Sobre rotina, a médica veterinária Gisela Gazeta afirma que manter as coisas organizadas dá uma sensação de conforto e para o seu gato idoso não é diferente. “Manter essa rotina se torna ainda mais importante à medida que eles envelhecem. O cérebro do seu gato não é o mesmo, como resultado, ele pode facilmente se tornar confuso pela mudança. Manter uma rotina estruturada o ajudará a prever facilmente o dia seguinte, o que o deixará se sentindo relaxado e feliz”.

E assim como humanos, gatos podem reagir mal com mudanças, o que geralmente acontece com os felinos. Algumas mudanças, no entanto, são inevitáveis. Alterações na casa, novos membros da família, visitas ao veterinário – todas as coisas que podem interferir na rotina familiar e segura do seu gato idoso e deixá- -lo infeliz.

“Ce r t i f i q u e – s e d e q u e quaisquer alterações – grandes ou pequenas – sejam feitas de forma lenta e correta. É como colocar um peixe em um novo aquário, você deve colocá-los lentamente, deixando-os a se acostumar com a nova temperatura”, destaca a veterinária.

E também como seres humanos, gatos sentem paz de espírito por meio de coisas e climas. “Para os humanos, talvez seja tomar um café em sua caneca favorita ou até mesmo aquela blusa de frio antiga mas que você se sente muito mais confortável e aconchegante”, aponta Gisela. E completa. “Gatos também adoram aconchego”.

A área de convívio é um aspecto importante para confortar o gato no processo de envelhecimento. Conforme as pessoas envelhecem, elas tem a mobilidade reduzida e acabam recorrendo a lugares menores e mais tranquilos para morar. “Os gatos também tem essa mobilidade reduzida. Seu gato pode se sentir muito mais confortável com a sua área de convívio menor, ou seja, um quarto de sua casa”, diz a veterinária.

Este refúgio acolhedor, ela afirma, deve conter tudo o que eles precisam: comida, água, uma caixa de areia, arranhador e lugares para descansar e se esconder. “Apenas lembre-se de manter a caixa de areia e comida o mais distante possível. Seu gato será grato por esta pequena atenção aos detalhes”.

Além disso, tudo deve ser de fácil acesso aos gatos mais idosos. “Seu gato idoso tem as mesmas necessidades diárias, mas ele pode achar mais difícil chegar aos seus recursos.

Você deve ter certeza de que eles têm acesso fácil a tudo – comida, água, caixa de areia, etc. Retire os obstáculos para acesso, até mesmo para o local que ele mais gosta de cochilar”, aconselha Gisela.

Ela ressalta, ainda, que as “bordas” da caixa de areia não sejam muito altas, pois eles podem ter dificuldade para entrar, devido à artrite ou a qualquer outra condição dolorosa.

Mas mesmo na velhice, gatos gostam de se divertir e a veterinária recomenda, dentro do possível e do tempo do tutor, sessões de brincadeiras diárias com o seu gato idoso para manter o cérebro e o corpo ativo. “Certifique-se de manter a atividade simples e segura, ou seja, nada muito difícil, seu felino não é mais um filhote”, ela lembra.

Erick Tedesco
[email protected]

LEIA MAIS:

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

quatro × um =