Conta de água aumentará 4,58% a partir de março em Piracicaba

Dica a população ainda é economizar água (Crédito: Arquivo/JP)

A partir do mês de março os piracicabanos pagarão mais caro pela conta de água e esgoto. Na semana passada, a prefeitura publicou decreto com resolução que reajusta a tarifa dos serviços no município em 4,58%. Dessa forma, o consumo mínimo (até dez metros cúbicos) mensais de água passa dos atuais R$ 37,80 para R$ 39,54.

O aumento da tarifa, no entanto, atinge os consumidores residenciais, industriais e empresariais em todas as faixas de consumo.




De acordo com o decreto publicado na última quinta-feira (30), no Diário Oficial do Município, o reajuste vale a partir de março e foi autorizado pela Ares-PCJ (Agência Reguladora dos Serviços de Saneamento das Bacias dos Rios Piracicaba, Capivari e Jundiaí).

O aval da diretoria executiva da agência reguladora ocorreu após solicitação do Semae (Serviço Municipal de Água e Esgoto de Piracicaba), responsável pelos serviços de abastecimento de água tratada e esgotamento sanitário do município.

Além da avaliação da Ares, o pedido de reajuste dos serviços recebeu parecer favorável do CRCS (Conselho de Regulação e Controle Social de Piracicaba). O reajuste será aplicado em todas as categorias e faixas de consumo.

Na categoria residencial, para o consumidor que utiliza até dez metros cúbicos por mês terá um aumento de R$ 1,74 na conta. Para o mesmo volume de consumo na categoria industrial, a variação será de R$ 4,42.

A resolução também define um aumento de 3,27% nos preços públicos para outros serviços praticados pela autarquia. Os novos valores também passam a valer em março.

A Ares-PCJ determinou que o Semae deve divulgar as tabelas com os novos valores das tarifas de água e esgoto em local de fácil acesso, em site e através de mensagens em suas contas e faturas.

Em 2019, o percentual de reajuste da tarifa na cidade foi de 4,95%. Dois anos antes, o aumento dos serviços na cidade foi de 6,94% e foi alvo de inquérito instaurado pelo Ministério Público do Estado de São Paulo, que recebeu pedidos de investigação.

Beto Silva

[email protected]