Economista chama a atenção que aumento pode encarecer ainda mais os alimentos | Foto: Claudinho Coradini/JP

Desde ontem (1) a energia elétrica no país é cobrada na bandeira vermelha patamar 2, a mais alta, com custo de com custo de R$ 6,243 para cada 100 quilowatts-hora consumidos. Anúncio da Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica) feito na segunda (30) revoga decisão de maio que suspendia cobrança por bandeiras devido a pandemia até 31 de dezembro. Nesse cenário, as famílias precisam focar para economizar energia e não comprometer mais o orçamento.


A psicóloga Rossana Rodrigues Silva conta que vai tentar ir além dos hábitos de economia que as cinco pessoas que vivem na casa já têm para que a conta de energia não venha tão mais cara. Ela recebeu com surpresa a notícia. “Não tinha me atentado a esse aumento a partir de dezembro, não é nada bom, pois a pandemia continua, alguns voltaram a trabalhar e outros não, as crianças e adolescentes continuam em casa, o que faz com que o consumo seja maior”, avalia.

De acordo com a Aneel, a decisão precisou ser tomada devido à queda no nível de armazenamento nos reservatórios das hidrelétricas e a retomada do consumo de energia. A recomendação da Agência é evitar o desperdício. Hábitos que Rossana já pratica.

LEIA MAIS:

“Utilizamos máquina de lavar roupas apenas uma vez na semana. Micro-ondas fica desligado da tomada. Banho rápido na marcação verão ou desligado. Passamos apenas as roupas sociais e uniformes. Não deixamos celular carregando a noite toda.

Trocamos as lâmpadas normais por fluorescentes”, elenca a psicóloga.
O economista Bruno Pissinato explica que o acionamento da bandeira patamar 2 pela Aneel é uma forma de conscientizar que o custo de produção de energia elétrica está maior. “Temos aí, além do consumo aumentando no verão, problemas nos reservatórios de hidrelétricas no centro-oeste, sul e sudeste, as regiões de maior consumo”, lembra.

Para o bolso do consumidor, Pissinato avalia que a energia mais cara será mais um agravante, em um contexto de crise econômica agravada com a pandemia e com os preços altos no supermercado. “Uma das questões da energia elétrica é que ela é utilizada na irrigação, que é usada para produção de alimentos. Então pode, inclusive, encarecer ainda mais o preço dos alimentos”, pontua o economista.

Andressa Mota

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

6 − cinco =