Corpo carbonizado é localizado dentro de veículo em Rio das Pedras

Veículo pertence a comerciante de Piracicaba (Reprodução)

O corpo de um homem foi localizado dentro de uma picape GM Montana, no início da tarde desta quarta-feira (11), em um canavial de Rio das Pedras. A suspeita da polícia é que o cadáver seria de um proprietário de três estabelecimentos (lanchonete, restaurante e sorveteria), em Piracicaba. Devido à situação do corpo, somente um exame de DNA poderá confirmar a identidade da vítima. De acordo com a polícia, o corpo tinha um ferimento, provavelmente provocado por arma de fogo, na cabeça. O caso está sendo apurado pelos policiais civis de Rio das Pedras, com o apoio do Setor de Homicídios da DIG (Delegacia de Investigações Gerais) de Americana.

Segundo o boletim de ocorrência, às 13h23, o funcionário de uma usina teria localizado um incêndio no canavial, somente depois de conter o fogo percebeu que se tratava de um veículo em chamas. O incêndio foi controlado pelo Corpo de Bombeiros. A vítima estava no banco do motorista.

O delegado da DIG Demétrios Gondim Coelho disse que por enquanto, a polícia pode confirmar apenas que o veículo era do comerciante. “O corpo estava muito carbonizado. Serão necessários exames para comprovar a identidade”, afirmou o delegado.

“Ficamos chocados com a morte violenta de nosso amigo (…), no dia de hoje. Ainda não sabemos todos os detalhes, mas queremos nos colocar à disposição da família, nesse momento de dor e desespero. Nossos sinceros sentimentos”, escreveu o prefeito Barjas Negri (PSDB), em sua rede social.

Uma amiga do comerciante, que pediu para ter a identidade preservada, disse que a última vez que conversou com ele foi às 10h desta segunda-feira. “Ele me disse que iria para casa apenas para tomar um banho e retornaria ao restaurante. Depois conferi que a última vez que ele olhou o WhatsApp foi às 11h18. Por volta das 12h30 a esposa dele passou a ligar, mas não conseguia falar com ele. Nós ficamos em pânico”, desabafou a amiga.

Outra amiga do comerciante afirmou que nos últimos dias, ele estava muito nervoso, estressado e aparentava ter depressão. “Ele sempre me pedia que fizesse oração para ele e sempre fazia evangelização para ele, que sempre foi uma pessoa muito querida por todos”, desabafou.

Cristiani Azanha

[email protected]