De comunidades a condomínios de luxo, fraude é prática comum

Colocado para reduzir consumo, imã é identificado por aparelho que afere hidrômetro

Multas variam de R$ 410 a R$ 10 mil e o responsável ainda responde criminalmente por furto

Desde 2017, a concessionária Mirante, empresa responsável pelo esgotamento sanitário e pela substituição de hidrômetros nos imóveis residenciais e comerciais de Piracicaba, realizou 65 mil ações de fiscalização de fraudes nos equipamentos que medem o consumo de água. Desse total de verificações, foram emitidos 10 mil termos de ocorrências por fraudes praticadas pelos moradores. Segundo a coordenadora de serviços e operações, Laís Fonseca Gomes, os crimes acontecem desde as moradias das comunidades até as casas de alto padrão nos condomínios de luxo. Nessas últimas, a fraude na rede de água já está prevista no projeto de construção do imóvel.

Uma vez constatada a fraude, as multas variam de R$ 410 a R$ 10 mil e o responsável ainda responde criminalmente, uma vez que a prática está prevista no artigo 155 do Código Penal (furto). Laís destacou que a fraude mais comum é o uso de ímã no hidrômetro, que pode reduzir o registro do consumo em até 95%. Em outras situações, são feitos furos no equipamento, uso de arames e o religue por meio do rompimento do lacre. Nas casas de alto padrão, uma das fraudes comuns é o by-pass – um desvio na tubulação que permite a utilização de água sem a medição. A coordenadora explicou que, no caso do ímã, é possível detectar o uso do mecanismo de fraude, mesmo após o morador retirar o material no momento da fiscalização, é que o equipamento usado pela empresa para aferição do hidrômetro registra indícios de magnetismo que ficam no hidrômetro por algumas horas. Além do termo de ocorrência registrado para abertura do processo administrativo pelo Semae (Serviço Municipal de Água e Esgoto), um B.O (boletim de ocorrência) é registrado na Polícia Civil, que vai investigar a fraude. “Então, a pessoa terá de responder à polícia sobre a fraude ”, afirmou Laís.

SUBSTITUIÇÃO A concessionária tem trabalhado na troca dos hidrômetros, umas das ações previstas no contrato PPP (Parceria Público-Privada) com o Semae. Segundo Laís, a atividade tem como objetivo garantir a correta medição dos volumes de água consumidos nos imóveis do município. Segundo a coordenadora, a previsão de vida útil do equipamentos é de cinco.

Beto Silva

[email protected]

Leia Mais:

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, digite o seu comentário!
Por favor, entre com seu nome

dois × 2 =