Decreto autoriza aulas presenciais para cursos da área da saúde

Instituições de ensino devem seguir rígido protocolo de higiene para funcionar (Foto: Amanda Vieira/JP)

Os cursos de medicina, farmácia, enfermagem, fisioterapia e odontologia das instituições de ensino superior e profissionalizante podem retornar – com restrições – às atividades práticas e laboratoriais presenciais. A prefeitura publicou a decisão em decreto municipal, 18.408, de 24 de agosto, que já está em vigor. É permitido apenas presença de até 35% de alunos matriculados nos ambientes, priorizando aqueles que têm previsão de conclusão do curso neste semestre.

O decreto faz parte do Plano Piracicaba de Retomada das Atividades Econômicas e considera que a cidade está na fase 3 (amarela) do Plano São Paulo. As instituições poderão operar com aulas presenciais no máximo 8h diárias.

Além do uso de máscara por todos os indivíduos, entre os protocolos que as instituições devem seguir também estão: intensificar a higienização e limpeza, criar horários especiais das aulas para garantir a higienização dos ambientes entre uma turma e outra, estabelecer um quadro de horário específico para alunos considerados do grupo de risco (de preferência pela manhã) e oferecer álcool em gel 70% em locais estratégicos, como salas, corredores, entradas e saídas. Também deve-se controlar o acesso para evitar aglomerações.

Nos laboratórios, os instrumentos devem ser organizados e higienizados após o uso e as bancadas estar sempre livres. Além disso, todas as informações de segurança e sinalização para distanciamento de 1,5 m por pessoa deverão ser amplamente divulgadas.

De acordo com o decreto, se a cidade evoluir para a fase verde do Plano São Paulo, a ocupação dos estabelecimentos de ensino poderá chegar a 50%. Mas a autorização do decreto também pode ser revogada a qualquer momento, de acordo com o avanço da pandemia na cidade.

Mesmo em vigor desde segunda-feira (24), para atender às exigências do decreto e protocolos internos, a Unimep (Universidade Metodista de Piracicaba), Anhanguera e a FOP (Faculdade de Odontologia de Piracicaba) não retormaram suas atividades presencias. A reportagem também contatou a Universidade Anhembi Morumbi, por meio da assessoria de imprensa, mas até o fechamento deste reportagem não teve resposta.

Em nota, a Unimep informou que a partir do decreto municipal será traçado um plano de ação para que, “em breve, as aulas práticas possam ser retomadas” e que programa a volta das práticas laboratoriais para setembro, mas sem data definida, pois “irá preparar o campus para receber os alunos dentro das regras e protocolos de saúde”.

A Anhanguera, por sua vez, informou que acompanha a evolução da pandemia e que o Comitê de Gestão da Crise trabalha para estruturar a abertura gradual das unidades. O plano de retomada das aulas presenciais da faculdade segue fases e frentes de atuação para proporcionar “reabertura das unidades de maneira segura e organizada”.

Já a FOP também segue decretos da Unicamp (Universidade Estadual de Campinas) e, segundo informou a assessoria de imprensa, “poderia retornar as atividades presenciais neste mês, respeitando o limite de alunos dentro da Faculdade”. Porém, para diminuir o risco de contágio da covid-19 entre os estudantes, “propôs uma série de adequações em suas clínicas, e isto está sendo avaliado pela reitoria da Universidade, a respeito de custos e tempo para as adequações”, informou.

Andressa Mota