Da pequena oficina à referência mundial de bens de capital (Foto: Alessandro Maschio)

Ao completar 100 anos de fundação, neste dia 23 de agosto, a Dedini S/A Indústrias de Base revisita a sua história e se orgulha da posição que atingiu, dos empregos que gerou, de poder caminhar junto com a comunidade e sempre ter lutado para superar os muitos desafios que encontrou nesse caminho. A empresa 100% brasileira, que nasceu em uma pequena oficina em Piracicaba, no bairro Vila Rezende, se transformou em referência mundial na produção de bens de capital para os setores sucroenergético e de infraestrutura e contribuiu de forma significativa para o desenvolvimento de Piracicaba e do Brasil.


“A realidade superou o sonho do fundador Mario Dedini e, hoje, a empresa é reconhecida no Brasil e no exterior. As destilarias projetadas e montadas pela Dedini são responsáveis por 80% da produção nacional de etanol e aproximadamente 20% da produção mundial desse biocombustivel”, destaca o bisneto do fundador, Giuliano Dedini Ometto Duarte, presidente do Conselho Administrativo da Dedini.

Líder em tecnologia para o setor, a Dedini é uma das maiores empresas de bens de capital do Brasil, com área de fabricação instalada em mais de 600.000 m², e acumula excelentes resultados. Já fabricou e entregou para o setor canavieiro 108 usinas chave em mãos para o Brasil e 29 plantas para o exterior; mais de 2.600 moendas; mais de 1.250 caldeiras; mais de 880 destilarias de etanol no Brasil e 115 plantas de cogeração.

Também já fabricou 12 cervejarias completas, plantas completas de processo para produção de alimentos e plantas de lingotamento contínuo, entre outras obras de infraestrutura.

Sempre utilizando tecnologia de ponta e obtendo eficiência, é uma empresa comprometida com a qualidade dos seus produtos e serviços, com a qualidade de vida de seus funcionários e com a tradição de sua história.

É a única no país preparada para entregar a chamada “Usina chave em mãos”, uma usina completa, dentro do conceito de ‘one stop shop”, que incorpora conceitos de sustentabilidade e eficiência energética.

“Com muito trabalho, seriedade na condução dos negócios e comprometimento social, Mario Dedini conseguiu fazer daquela pequena oficina de consertos comprada em 1920 o protótipo do que se tornaria a Dedini”, destaca Giuliano. Seu avô e sucessor do fundador, Dovílio Ometto, assumiu o comando em meados da década de 1960 e à empresa sólida que encontrou, agregou aos valores já existentes a diversificação do portfólio, a projeção da Dedini no exterior e a busca incansável pela inovação.

Para Giuliano Dedini, a visão de negócio e a disposição para o trabalho de Mario Dedini e de Dovílio Ometto fizeram da empresa um modelo de empreendimento com grande capacidade de adaptação e superação, capaz de atender a um mercado diversificado e de fornecer desde equipamentos até plantas industriais completas para os segmentos sucroenergético, de energia, mineração, siderurgia, alimentos e bebidas, óleo e gás, entre outros.

“O ideal do fundador Mario Dedini, de construir um Brasil melhor para as gerações futuras, de trabalhar pelo crescimento sustentável, pela redução das diferenças sociais e por investimentos em educação e no respeito à natureza, sobrevive como um dos seus grandes legados. E nos faz olhar o futuro e vislumbrar que, nos próximos 100 anos, a Dedini se manterá inspirada por esse legado”, acrescenta Giuliano.

Da Redação

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

5 × cinco =