Dedini 100 anos: ‘É dona’ de 42% do mercado nacional

Unidade Dedini Mecânica, responsável pelo Sistema RGD (Foto: Alessandro Maschio)

Duas unidades instaladas em Piracicaba, uma na Vila Rezende e a outra no bairro Capim Fino, e uma em Maceió (Alagoas) compõem o complexo da Dedini Mecânica e, desde 1982, são responsáveis por um dos serviços mais importantes prestados pela empresa: o Sistema RGD (Reposição Garantida Dedini).

Com equipamentos de última geração, produzem peças de até 38 toneladas e conjuntos montados de até 65 toneladas, atendendo todos os requisitos da legislação ambiental.

O RGD atende, de forma personalizada, as necessidades do mercado sucroenergético, com o fornecimento de peças e componentes de reposição, serviços de reformas, otimizações, assistência técnica e ainda “upgrade” nos equipamentos instalados, incorporando a eles novas tecnologias. Atualmente, está apta a atender a todas as linhas de equipamentos e produtos da empresa.

Com muito trabalho, estrutura e tecnologia, a empresa conquistou 42% do mercado em RGD no Brasil. “Na entressafra, garantimos atendimento ao mercado da Região Centro-Sul, com prazos cumpridos e qualidade. Ganhamos clientes que precisaram da Dedini em situações às vezes emergenciais e mostramos que toda a nossa estrutura e garra são movidas pela vontade de atender o nosso mercado”, avalia Norivaldo Zimmermann, superintendente comercial e industrial da Dedini Indústrias de Base.

Além do mercado brasileiro, a Dedini Indústrias de Base atende com esse sistema de reposição os cinco continentes, com 8% do mercado mundial no segmento e planos para chegar a 12% desse mercado mundial de reposição. Para dar conta desse mercado gigante de reposição e manutenção, a Dedini conquistou diferenciais como capacitação fabril, engenharia com soluções de tecnologia de ponta e atendimento personalizado durante toda a safra, 24 horas por dia.

Além desses fatores, a empresa dispõe de fundição própria, laboratório de ensaios metalográficos, apoio técnico e laudo de avaliação. “Trabalhamos para oferecer um atendimento diferenciado na parceria qualidade/pontualidade”, avalia o superintendente. Na RGD, são feitos desde uma arruela de poucas gramas, um eixo montado de 60 toneladas, até uma usina completa, chave em mãos, em conjunto com outros setores da Dedini. A capacidade de trabalho é de 80 mil horas/mês.

São produzidas peças utilizadas nos equipamentos de recepção para o preparo e extração (toda parte de extração do caldo da cana), otimização de performance dos equipamentos (processo de fabricação de açúcar e etanol) e cogeração de energia.

INTEGRAL
Segundo Zimmermann, o modelo de trabalho do Sistema RGD está baseado em pilares, estabelecidos a partir do estreitamento de laços com o cliente, a começar do conhecimento das carências e demandas pela melhoria de processos e sistemas de produção industrial.

Na sequência, a equipe coloca em prática o atendimento diferenciado na parceria: qualidade, pontualidade de entrega, pós-vendas, soluções de engenharias, rigor no cumprimento dos requisitos de qualidade e fabricação exigidos pelos clientes atendendo todos os equipamentos instalados, nas necessidades de manutenção e melhorias. Além disso, busca incorporar ao equipamento altos índices de performance, que são compensados pelo maior percentual de extração ou melhor produtividade, com grande economia pela diminuição de paradas não planejadas, que trazem enorme prejuízo ao processo.