Demora na limpeza após varejão preocupa moradores e comerciantes no centro de Piracicaba

Problema foi reconhecido pela prefeitura, em nota. (Crédito: Amanda Vieira/JP)

Moradores e comerciantes da região do TCI (Terminal Central de Integração) reclamam da demora da limpeza após a realização do Varejão Central, que ocorre de quarta-feira e sábado. O acúmulo de lixo na rua e o forte cheiro de peixe fazem parte do que a população enfrenta toda semana.


O comerciante Douglas Zerimar conta que, do varejão realizado no sábado, a região fica suja até segunda-feira à tarde. “Hoje é segunda-feira e o lixo de sábado ainda está na rua. […] O cheiro de peixe podre é insuportável, devido às bancas de peixe jogarem o lixo sem responsabilidade alguma”, afirma. “Tenho um comércio ao lado e está atrapalhando”, complementa.


Zerimar relata que o lixo acumulado no sábado geralmente é recolhido depois das 17h da segunda-feira, mas que ontem (17) o serviço foi realizado por volta das 15h30 porque ele ligou reclamando na Sema (Secretaria Municipal de Agricultura e Abastecimento).


Em relação ao cheiro, Zerimar conta que a prefeitura lava o local, porém a água fica acumulada em frente à sua loja, na rua Dr. Otávio Teixeira Mendes, devido a um desnivelamento do asfalto depois, como ele afirma, que a administração do município realizou uma obra na tubulação da via.

“Ano passado, foi feita uma obra para uma tubulação, essa obra afundou e tiveram que refazer, porém ficou na mesma. O asfalto cedeu novamente e ficou buraco onde a água para”, explica.


Questionada pela reportagem do Jornal de Piracicaba, a prefeitura informou que, nos últimos meses, a limpeza não vem sendo feita logo após o término dos varejões devido à “grande demanda da cidade” e que foi acordado com a empresa Ambiental que “a coleta seja feita no dia seguinte ao varejão”. “A Sema já está revendo essa decisão, para que a limpeza seja feita no mesmo dia”, diz a nota.


Especificamente a coleta desta semana, segundo informou a prefeitura, “teve um atraso devido a um problema interno, onde foi colocado o cadeado na porta da lixeira, dificultando a coleta no domingo”. A nota diz ainda que a Sema já havia entrado em contato com a Ambiental para que a limpeza fosse feita “o quanto antes, o que infelizmente atrasou mais que o esperado.”


Caso não descartem corretamente o lixo, os feirantes, de acordo com a prefeitura, estão sujeitos à punição prevista no Plano Municipal de Abastecimento Alimentar.


Quanto ao asfalto, a Sema informou que solicitou o recapeamento e que “já está na programação”.

Andressa Mota

[email protected]

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, digite o seu comentário!
Por favor, entre com seu nome

3 + 15 =