Diretor do Engenho chama vereadores de levianos

Foto: Divulgação

Rai de Almeida, Jhoão Scarpa e Pedro Kawai foram impedidos de ver galpão

O diretor do Engenho Central, Antonio Padovan, acusou de leviana a tentativa de inspeção feita ontem no local por um grupo de vereadores ligados à Frente Parlamentar de Cultura. Rai de Almeida (PT), Jhoão Scarpa (mandato coletivo A Cidade É Sua) e Pedro Kawai (PSDB) foram impedidos de entrar no galpão 9 onde se acumulam itens e acervo da Semac (Secretaria Municipal de Cultura). É prerrogativa da vereança o livre acesso às repartições públicas municipais.

Gravado pelo repórter cinematográfico do Jornal de Piracicaba, Claudio Coradini, Padovan se mostrou incomodado em seu depoimento e se disse surpreso pelas fotos que circularam de forma eletrônica as quais expunham um grande acúmulo de material em desordem em um dos galpões utilizados pela Festa das Nações. Sobre as imagens – com itens inclusive do Salão de Humor – o diretor se queixou sobre a forma pejorativa com que foi tratado o trabalho da atual gestão.

“Quanto ao fato de discordar da forma que está sendo feito [o depósito no barracão 9], primeiro, não pode ser injusto. Eu estava aqui, era só me perguntar. Caso não concorde, ‘vai para cima’. Mas foi leviana essa visita. Essas fotos foram levianas e mal intencionadas. Jogaram as fotos na imprensa para o povo entender da forma que quisessem. Isso não é exercício da democracia, é leviano demais.”

Ao que tudo indica, o diretor do Engenho se incomodou porque nesta semana houve duas visitas sequenciais de vereadores – a primeira aconteceu na última quinta-feira (22), quando também estiveram o Concult (Conselho Municipal de Política Cultural) e Frente das Culturas. Padovan também declarou que já foram descartados 45 caminhões do que foi classificado por ele como entulho. O co-vereador Scarpa explica que solicitou ao Padovan a abertura do galpão.

“O sargento Padovan disse que só liberaria a entrada com permissão do secretário Adolpho Queiroz. Neste momento, houve uma situação muito desagradável entre o secretário e a vereadora Rai, sem conseguir diálogo. Ficou definido que, antes de se descartar qualquer material, haverá uma vistoria feita por nós. Isso é importante tanto para a segurança do próprio secretário quanto para nós quanto a checar que tudo está sendo bem cuidado”, explicou Scarpa.

A vereadora Rai adiciona a informação de que a Semac se comprometeu não executar qualquer outra ação em relação aos materiais trancafiados antes que o grupo possa fazer a devida fiscalização in loco das condições dos itens, sua manutenção e acondicionamento. O secretário Queiroz foi questionado pelo JP, por meio de sua assessoria de imprensa, mas não respondeu à reportagem.

Cristiane Bonin
[email protected]

LEIA MAIS

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, digite o seu comentário!
Por favor, entre com seu nome

cinco − quatro =