Doações para equipar hospitais da UFMG ultrapassam R$ 379 mil

Doações para equipar hospitais da UFMG ultrapassam R$ 379 mil
Fonte: Agência Brasil

Duas semanas após criar uma campanha de financiamento coletivo para arrecadar dinheiro para comprar remédios, insumos, equipamentos e para contratar serviços hospitalares destinados a reforçar o atendimento a pacientes infectados pelo novo coronavírus (Covid-19) e por outras síndromes respiratórias agudas, a Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) já recebeu R$ 379,6 mil em doações.




Todo o dinheiro que a universidade receber por meio da campanha Colabore Com Os Hospitais da UFMG será usado para ajudar a equipar o Hospital das Clínicas, além do Hospital Risoleta Tolentino Neves e a Unidade de Pronto Atendimento Centro Sul, localizados em Belo Horizonte.

O valor já arrecadado está longe da meta inicial dos idealizadores da campanha, que esperam receber em torno de R$ 5 milhões em dinheiro e produtos. Mesmo assim, a solidariedade das 1.343 pessoas físicas e jurídicas que já contribuíram com a iniciativa já começa a beneficiar os pacientes e servidores das unidades de saúde.

Parte dos produtos já adquiridos com uma parcela do dinheiro recebido começa a ser distribuída hoje (7) para os três hospitais. São lotes de sabonete, álcool em gel, desinfetante, luvas, máscaras e óculos de segurança, além de equipamentos de nebulização e peças de ventiladores pulmonares. Outra parte da compra de cerca de R$ 231 mil deve ser entregue nos próximos dias 13 e 14.

Segundo a assessoria da UFMG, os produtos já comprados serão distribuídos na ordem de R$ 135 mil para o Hospital Risoleta Neves; R$ 60 mil para o Hospital das Clínicas e R$ 36 mil para a UPA Centro Sul.

Os recursos são gerenciados pela Fundação de Desenvolvimento da Pesquisa (Fundep), encarregada de adquirir os insumos e equipamentos dentro e fora do Brasil, a partir da determinação da equipe gestora da campanha, que decide o que comprar com base nos pedidos dos responsáveis pelos hospitais e pela UPA, levando em conta que quanto maior o volume de produtos comprados de uma única vez, maiores as chances de negociar preços mais baratos.

Os responsáveis pela campanha afirmam que com apenas R$ 100 conseguem equipar um médico com máscaras, luvas, touca, avental e óculos de segurança. A partir deste cálculo, asseguram que, com R$ 100 mil reais, podem fornecer o equipamento de proteção necessário para mil médicos atenderem a cerca de 50 mil pessoas. E com R$ 500 mil reais é possível comprar 165 mil equipamentos médicos-hospitalares como cateteres e bombas de infusão.

De acordo com a assessoria da UFMG, os estoques de medicamentos e equipamentos das três unidades de saúde vêm registrando uma “queda expressiva” devido ao aumento de atendimentos, incluindo de casos confirmados e suspeitos da Covid-19. Para além da doença que já matou 553 pessoas no Brasil, os hospitais da Clínicas, Risoleta Neves e a UPA Centro Sul, juntos, já realizavam a mais de 3 milhões de atendimentos por ano, o que significava cerca de 1,2 milhão de pacientes/ano.

A campanha também estimulou algumas pessoas a doarem equipamentos hospitalares, como as três macas entregues por uma colaboradora. Outras pessoas contribuíram oferecendo cursos de capacitação para a confecção de máscaras cirúrgicas e de proteção. Servidores da Assembleia Legislativa de Minas Gerais organizaram seu próprio movimento de arrecadação de dinheiro para a campanha e um ex-aluno da UFMG usou de seus contatos para intermediar a doação de 3 mil litros de álcool que serão transformados em álcool em gel.

Interessados em contribuir podem doar qualquer quantia, depositando-a na conta corrente 960.419-7, da agência 1615-2 do Banco do Brasil, em nome da Fundep (CNPJ 18.720.938/0001-41). Quem desejar doar bens ou equipamentos poder entrar em contato com a Diretoria de Cooperação Institucional da UFMG por meio do telefone (31) 3409-4555, do celular (31) 99306-0348 ou do e-mail . Mais informações podem ser obtidas na página oficial da campanha, na internet.

Doações para equipar hospitais da UFMG ultrapassam R$ 379 mil