Dor e comoção marcam sepultamentos de mãe e filha atropeladas por motorista bêbado

Mãe e filha foram sepultadas no Cemitério da Vila Rezende (Alessandro Maschio/JP)

Dor e comoção marcaram os sepultamentos de Valquíria Cordeiro dos Santos, 45 anos, e de sua filha que completaria 2 anos, no próximo dia 19. Os funerais ocorreram na tarde desta segunda-feira (10), no Cemitério da Vila Rezende. As vítimas foram atropeladas no domingo (09), na calçada, na Vila Sônia, por um motorista, um pintor de 51 anos, que estaria bêbado. Ele foi autuado em flagrante pelas acusações de duplo homicídio e embriaguez ao volante.

O delegado Gillys Esquitini Scrocca já pediu na Justiça, a conversão em prisão preventiva. Scrocca justificou que o indiciado coloca em risco a ordem pública e considera que já tem indícios suficientes de autoria, além da gravidade dos fatos. O pintor continua internado no HFC (Hospital Fornecedores de Cana) sob escolta policial.

O CASO
Segundo o boletim de ocorrência, o acidente ocorreu por volta das 16h, na avenida Romã. Valquíria estava com a filha no colo, quando foi atingida pelo VW Gol conduzido pelo pintor. O carro só parou após derrubar parte do muro e portão de uma oficina.

Houve um princípio de tumulto e hostilização das equipes policiais provocado por uma aglomeração de pessoas revoltadas com o acidente, mas foi rapidamente dispersada, de acordo com a PM. Uma testemunha, que não quis ser identificada, relatou à Polícia Militar, que devido ao impacto, o corpo da mulher foi parar no quintal do estabelecimento pela PM, juntamente com criança. Ela já estava morta. A filha foi socorrida à UPA (Unidade de Pronto Atendimento) do bairro, mas chegou sem vida. A equipe da 5ª Companhia da PM, do Santa Teresinha, deu a notícia ao pai sobre a morte da criança. Três passageiros do carro foram levados para a mesma unidade. Já o motorista foi levado ao HFC.

O motorista relatou aos bombeiros que testava seu veículo quando apresentou problemas nos freios, subiu na calçada e atropelou as vítimas. Como estava com suspeita de embriaguez, ele aceitou fazer o teste do bafômetro, que resultou em 0,33 miligramas de álcool por litro de ar. A atual legislação estabelece o máximo de 0,05 miligramas. O carro foi apreendido no pátio de veículos. Em depoimento, o marido da vítima e pai da criança estava muito abalado. “O esposo disse que a mulher foi visitar uma irmã de igreja e não voltou mais. Ele pretendia fazer uma surpresa com um presente pelo Dia das Mães, mas recebeu a notícia da tragédia. Estava muito transtornado, me pediu para que não soltasse o motorista. Respondi que ficaria preso, sem direito a fiança”, disse Scrocca.

LEIA MAIS

Cristiani Azanha
[email protected]

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, digite o seu comentário!
Por favor, entre com seu nome

treze + sete =