É possível viajar apenas com uma mala pequena

É preciso pensar no roteiro da viagem e levar peças coringas. (Crédito: Andressa Mota)

Se você vai colocar o pé na estrada é bom ficar atento na hora de fazer a mala para não levar nada desnecessário e, assim, não carregar peso à toa. A professora do curso de Turismo do Senac Piracicaba, Sandra Zotelli, é expert nesse assunto e afirma que é possível ficar mais de uma semana fora de casa com apenas uma mochila e uma mala de, no máximo, 10Kg.

“É muito importante ter uma mala bem-feita. É preciso deixar a ansiedade de lado e pensar muito mais nos roteiros, que vamos fazer, para nada nos faltar”, conta. Depois disso, é hora de apostar naquelas peças coringas do seu guarda-roupa, que não amassem com facilidade e nem ocupem lugar volumoso na mala.

Abrir mão do conforto e da saúde, para a especialista em turismo, estão fora de moda. Então, durante a viagem, até para também economizar espaço na bagagem, os tênis já podem estar nos pés. Não podem ficar de fora da mala, além dos itens de higiene pessoal em frascos pequenos, um par de chinelo, toalha de banho, protetor solar e, para as mulheres, um maiô, para os homens, uma sunga ou shorts. “Sempre tem um lugar para usar o maiô, nunca deixo faltar na minha mala”, comenta Sandra.

E “principalmente às pessoas que fazem uso de medicamentos contínuos, peço que tenham muita atenção com isso”, ressalta, ao lembrar que nem sempre se tem uma drogaria por perto.  Outro alerta é não se esquecer dos documentos: RG para destinos nacionais e passaporte para os internacionais.

 

Destino e itens a serem levados devidamente escolhidos, chegou a hora de montar a mala. Na mochila, podem ficar, para rápido acesso, os documentos, produtos de higiene pessoal, garrafa d’água, capa de chuva e uma blusa leve. Quanto à mala, aquela que pode ser levada na mão no avião serve bem: 25 cm de profundidade, 35 cm de largura e 55 de altura. Lembre-se, se for de avião, que, para embarcar com uma dessas, é preciso que pese, no máximo, 10 Kg.

De malas prontas? Boa viagem. Mas lembre-se: o que mais conta não é o que se leva, mas sim a experiência, as fotos tiradas e as pessoas que se conhece.

 

Andressa Mota
[email protected]