Ecoponto do Cecap emperra na Câmara e na Sedema

Projeto de autoria do Executivo “estaciona” na Sedema há um mês e sofre revés entre a vereança

Vereadores e Sedema (Secretaria de Defesa do Meio Ambiente) estão jogando um balde de água fria nos planos do Executivo quanto à instalação de um novo ecoponto no bairro Cecap. O último episódio aconteceu na Câmara Municipal durante a sessão da última segunda-feira (30), quando o legislador Anilton Rissatto (Patriota) conseguiu aprovação de sua moção de apelo para que o prefeito Luciano Almeida não implante a área de descarte de resíduos sólidos na região. “Dentro de casa”, a secretaria represa desde o início de junho um parecer sobre o assunto à Comissão de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável da Câmara.

O projeto de lei assinado pelo prefeito já tem sete meses para a área doada pelo Semae (Serviço Municipal de Água e Esgoto) à prefeitura. O terreno é uma área da antiga ETE (Estação de Tratamento de Esgoto) com mais de 20 mil m2, avaliado em R$ 651 mil. O ecoponto já recebeu parecer favorável do Comdema (Conselho Municipal de Defesa do Meio Ambiente) desde que esteja no formato do Ecopira.

MOÇÃO O vereador Rissatto alega inviabilidade do ecoponto no Cecap pela proximidade com moradias e unidades de saúde. Segundo apurou o seu gabinete, a área de descarte ficaria a 53 metros de bairros como Campos do Conde, Taquaral, Cecap e Terra Rica. Há também a proximidade do Hospital Ilumina, unidade do Programa Saúde da Família e uma área de lazer. “Não precisaria fazer esse tipo de apelo, mas é necessário, devido à preocupação daqueles moradores”, disse Rissato. Nascido e criado na região do Cecap, o vereador Fabrício Polezi (Patriota) defendeu a necessidade dos ecopontos para evitar descarte irregular de resíduos pelo bairro. “Quantos caminhões de lixo são retirados nesta região? Não é pouco, não”, disse, ao destacar que, em sentido contrário aos moradores que procuraram o vereador Anilton Rissatto, “vocês não fazem ideia do tanto de pessoas que nos procuram para criar um ecoponto”. Já a vereadora Rai de Almeida (PT) lembrou que, durante os trabalhos da CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) do Semae, o servidor Luiz Carlos Magazine informou sobre problemas no terreno: “é um depósito de lodo e de esgoto, com riscos para a população, principalmente crianças, que podem cair e existir uma tragédia”, disse ele sobre três lagoas existentes no local.

ECOPIRA O projeto do Ecopira prevê ecopontos com iluminação e instalação de câmeras de segurança, platôs para descarga de resíduos pesados, aquisição de um caminhão com sistema hidráulico com caçamba de 39m³ e mais 14 a 11 caçambas de 39m³ no sistema roll on. Por ora, o novo modelo cumpre etapas burocráticas do sistema do Governo Estadual para poder receber verba de R$ 1,05 milhão via emenda parlamentar do deputado estadual Roberto Morais (Rede).

Cristiane Bonin

[email protected]

Leia Mais:

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

4 + seis =