Em 2019, coleta de lixo em Piracicaba recebeu 1.800 reclamações pelo SIP-156

Constantes problemas e falhas na coleta de lixo colocaram em cheque Parceria Público Privada feita entre a prefeitura e a empresa Ambiental Piracicaba. (Crédito: Claudinho Coradini/JP)

Durante o ano de 2019 o SIP (Serviço de Informação à População) – 156 da Prefeitura de Piracicaba recebeu cerca de 1.800 reclamações do serviço de coleta domiciliar de lixo realizado na cidade. Em 2012, quando a empresa Piracicaba Ambiental iniciou o contrato PPP (Parceria Público Privada) com a prefeitura, o total de queixas junto ao serviço foi de 900.

De acordo com o secretário de Defesa do Meio Ambiente, José Otávio Menten, após 2012, a média anual de queixas à coleta se manteve em 600. Segundo ele, o pico de reclamações quanto ao serviço prestado pela Ambiental foi verificado em novembro do ano passado, com 500 reclamações registradas no 156. Nesse período, segundo Menten, a prefeitura encaminhou 15 notificações à Ambiental solicitando o aprimoramento dos serviços.

O titular da pasta do Meio Ambiente disse que, além do 156, a equipe de técnicos da secretaria, as mídias sociais e a imprensa apontaram para os problemas existentes na coleta.

Outro termômetro de que algo ia mal na prestação do serviço pela contratada foram as queixas registradas no SIP quanto a coleta seletiva, outra responsabilidade da Ambiental prevista no contrato de mais de R$ 30 milhões.

O secretário informou que, de 2012 a 2018, as reclamações da população quanto a coleta dos recicláveis somaram 150. Já em 2019, foram registradas 527, ou seja, em um ano, o serviço recebeu o triplo de queixas do verificado em seis anos. “Em outubro (de 2019) houve um pico de reclamações da coleta seletiva, com 80 ligações”, afirmou o secretário.

Os números do SIP-156 foram apresentados durante audiência pública para discussão do contrato PPP entre o município e a Piracicaba Ambiental realizada na última quarta-feira, na Câmara de Vereadores. O evento reuniu representantes da Ambiental, Ares PCJ, Sedema (Secretaria de Defesa do Meio Ambiente), vereadores e população.

Para a idealizadora da audiência, a vereadora Adriana Cristina Sgrigneiro Nunes, a Coronel Adriana (Cidadania), o evento nada esclareceu. “O diretor financeiro da Ambiental, Gerson Grutola, fez até apresentação institucional da empresa, mas não respondeu a nossos questionamentos”, reclamou a parlamentar.

Beto Silva
[email protected]