Em 6 anos, Piracicaba registrou 150 acidentes de trabalho com crianças

Trabalho infantil foi tema de discussão em Piracicaba. (Crédito: Valter Campanato/Agência Brasil)

De acordo com os dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas), de 2012 a 2018 ocorreram 150 acidentes de trabalho com crianças e adolescentes de 14 a 17 anos em Piracicaba, com emissão de CAT (Comunicação de Acidente de Trabalho). A maior parte desses acidentes (35%) ocorreram na atividade econômica do comércio varejista em geral, com predominância alimentícia, em hipermercados e supermercados.

Segundo a Prova Brasil/2017, 648 alunos de 5º e 9º ano das escolas públicas de Piracicaba trabalhavam fora de casa, sendo 277 alunos de 5º ano e 371 alunos de 9º ano. A faixa etária média prevista para o 5º ano é de 11 anos e para o 9º ano é de 15 anos. De acordo com informações do CadÚnico (Cadastro Único) e Bolsa Família, Piracicaba possui 23 famílias em situação de trabalho infantil e 17 famílias em situação de trabalho infantil recebendo o benefício. Quanto à aprendizagem profissional em Piracicaba, de acordo com o IBGE/2018, o município possuía cota de aprendizagem de 3,1 mil, sendo que somente 1,5 mil estavam preenchidas.



Os dados foram apresentados, na semana passada, pela Justiça do Trabalho quando do anúncio da realização do seminário “A Justiça do Trabalho e o Combate ao Trabalho Infantil”, realizado na última sexta-feira, no Teatro do Engenho Central, que reuniu mais de 400 pessoas, entre técnicos da rede socioassistencial, além de representantes da rede protetiva e adolescentes aprendizes do Instituto Formar, do CIEE (Centro de Integração Empresa-Escola) e de escolas da cidade.

PALESTRAS
O evento contou com palestra de juízes, procurador e desembargador, que falaram da atuação da Justiça e do Ministério Público do Trabalho no combate ao trabalho infantil, além da contextualização histórica do trabalho infantil e informações sobre convenções internacionais relacionadas ao tema e das quais o Brasil é signatário.

Durante a solenidade de abertura. O presidente do Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente, Roger Nascimento, destacou a importância de um seminário levar tantas pessoas ao teatro.
O comprometimento também foi lembrado pela diretora da Piracicaba Drads, Maria Germek, e da gerente regional do Trabalho e Emprego da Unidade de Piracicaba, Gabriela Mendonça de Albuquerque.

A secretária municipal de Desenvolvimento Social, Eliete Nunes, reforçou que o trabalho desenvolvido por Piracicaba na erradicação do Trabalho Infantil tem uma longa trajetória de atuação e exaltou a importância da atuação intersetorial e interinstitucional.

“Juntos nesta luta poderemos um dia erradicar esta prática que rouba o futuro das crianças e adolescentes, principalmente àquelas que estão inseridas nas piores formas de trabalho infantil”, afirmou.

Beto Silva
[email protected]