Aumento foi de 57,14% (fumaça) e 21,90% (neblina) em comparação com o mesmo período de 2019. (Foto: Claudinho Coradini/JP)

Levantamento realizado pela Artesp (Agência de Transporte do Estado de São Paulo) aponta que os acidentes causados por fumaça e neblina cresceram 57,14% entre janeiro a setembro deste ano na comparação com o mesmo período do ano passado nas rodovias paulistas concedidas.

Até o fim do mês passado, foram 11 acidentes causados por fumaça, enquanto nos primeiros nove meses de 2019 ocorreram sete; um crescimento de 57,14%. Os acidentes provocados por neblina geraram 128 ocorrências, contra 105 no ano passado, resultando em alta de 21,90%.

“Continuamos fazendo campanhas em parcerias com as concessionárias para conscientizarmos o usuário sobre a importância de manter a atenção e seguir as recomendações ao se deparar com esse tipo de situação. Nosso objetivo é sempre prevenir os motoristas para que eles possam circular com segurança pelas rodovias paulistas”, explica Milton Persoli, diretor-geral da Artesp

Dentre as ações com as concessionárias estão campanha de orientação com mensagens de alerta veiculadas nos painéis eletrônicos (PMVs) distribuídos pelas rodovias, instalação de faixas nos trechos de maior incidência, operações de redução de velocidade e sinalizações específicas, inclusive com uso de viaturas (operação visibilidade).

As concessionárias, através de seus Centros de Controle Operacional (CCOs), acompanham de maneira remota as condições de tráfego nas rodovias, através dos recursos e equipamentos de monitoramento (câmeras, estações meteorológicas, inspeções de tráfego, entre outros) e, com isso, podem atuar rapidamente para mitigar os impactos dos fatores climáticos no tráfego.

Eventos com a presença de queimadas são potencialmente perigosos. Diante disso, as concessionárias possuem veículos do tipo Caminhão Pipa para atendimento emergencial de combate a focos de incêndio na faixa de domínio. Não obstante, as concessionárias promovem ações e simulados periodicamente para treinamentos das equipes, bem como para atuação conjunta com os demais órgãos competentes (Bombeiros, Defesa Civil, Cetesb, Samu, entre outros).

Da Redação

LEIA MAIS:

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

três × 4 =