Evento acontece em toda extensão da rua Pau Brasil. (Foto: Divulgação)

Na madrugada da última sexta-feira (12) para sábado (13), os moradores do bairro Bosques do Lenheiro enfrentaram mais uma vez o barulho e a aglomeração do baile funk “10 do Mal”. Segundo relatos, há aproximadamente quatro meses a festa não reunia tantas pessoas e não fazia tanto barulho. Por isso, quem precisava trabalhar no dia seguinte não conseguiu dormir. Moradores pedem mais fiscalização para conter a aglomeração de pessoas também durante a pandemia da covid-19. O baile é realizado no decorrer da principal rua do bairro, a Pau Brasil.


Segundo uma moradora que preferiu não se identificar, o baile começou por volta das 23h na sexta-feira e terminou depois das 7h30 de sábado. Ela relata que chegou a ligar para a polícia, mas não sabe se as viaturas foram enviadas ao bairro, uma vez que a festa não foi interrompida. A moradora conta que o baile reúne pessoas de diversas cidades e é organizado pelas redes sociais.

“[É] moto acelerando a noite inteira, som alto, gritaria, briga, tumulto e você fica sem saber o que fazer, não consegue dormir”, relata. Ela lembra que a “10 do Mal”, nas últimas semanas, estava com menos pessoas. “As outras não deu tudo isso de gente, fechava dois, três, quarteirões. Mas essa daí foi a pior que teve, tem uns quatro meses que não tinha uma festa igual a essa”, complementa.

Questionada, a Guarda Civil informou que “vai intensificar as ações para prevenir eventos como o que ocorreu no final de semana [no bairro], evitando a perturbação do sossego público e aglomerações neste período de pandemia”, disse em nota.

Segundo o capitão Donizetti Gomes, do 10o BPM/I5 (Batalhão da Polícia Militar do Interior), houve policiamento na entrada do Bosques do Lenheiro durante o final de semana no início da noite, mas a PM foi surpreendida com o tamanho da aglomeração que se deu depois. As viaturas se deslocaram para outras ocorrências com urgência na cidade.

Gomes explica que a PM visa atuar na prevenção desses eventos para que não ocorra confronto e feridos na dispersão. “[…] Não teve como manter aquele policiamento naquele local. Depois que tem aglomeração, optamos por não atuar, porque se a gente atuar na quantidade de gente que estava no local, tinha uma possibilidade muito grande de ter gente ferida”, explica.

Andressa Mota

2 COMENTÁRIOS

  1. Se é uma “festa” organizada pelas redes sociais, então a inteligência da Pm E da Guarda podem tentar intervir antes já que ficam cientes do dia e horário que vai acontecer uma bagunça dessa. Realmente numa quantidade de gente que tinha, se houvesse alguma ação, fatalmente ia dar coisa errada. Como diz o ditado: PREVENIR PRA REMEDIAR.

  2. Eu acho isso ,uma palhaçada porque as pessoas que precisam dormir cedo pra trabalhar no outro dia, não tem o direito de descascar por causa desta arruaça. (ISSO É UM ABSURDO! E UM DESCANSO DO PODER PÚBLICO. )

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

quatro × 1 =