Em Piracicaba a cada 1,5 dia, um poste é derrubado por motoristas

Foto:Claudinho Coradini/JP

Os números divulgados pela CPFL Paulista referentes ao ano de 2019 até o dia 10 de maio, apontam que a cada 1,5 dia, um poste de iluminação pública é derrubado ou danificado por colisão de veículos em Piracicaba.
Segundo a companhia, no primeiro quadrimestre deste ano foram registradas 77 ocorrências envolvendo postes da empresa no município, uma média de 19 acidentes por mês. Ao longo do ano passado foram 241 choques de veículos nos postes da empresa.
O total de ocorrências de Piracicaba é superior à soma de acidentes da mesma natureza registrados nas cidades de Paulínia e em Valinhos, que juntas totalizaram – em 2019 – 173 casos.
De 2018 a 2109 houve um aumento de 20 acidentes, segundo os dados da CPFL.
A empresa informou que, além do risco à segurança, os responsáveis pelos acidentes contra postes podem amargar prejuízos financeiros.
Nos casos em que a distribuidora identifica o culpado legal, este deve arcar com os danos causados ao patrimônio da concessionária. A substituição de um poste pode variar, dependendo do modelo, entre R$ 2 mil e R$ 3 mil.
  Essa diferença, segundo a CPFL, leva em consideração os equipamentos instalados tanto pela distribuidora de energia como pelas empresas que ocupam a estrutura.
Por exemplo, um poste com iluminação pública simples tem menor valor que aquele que sustenta um transformador de energia e equipamentos de telecomunicação. 

RISCOS
A companhia informou que realiza campanhas de conscientização e prevenção que têm por iniciativa orientar os clientes sobre os riscos de contato com a rede de energia.
No caso de colisão contra postes, por exemplo, o motorista não deve jamais sair do veículo, nem tocar os cabos de energia, mesmo que estejam rompidos. Eles podem estar energizados e provocar um acidente fatal.
Em média, cada ocorrência na região de Piracicaba interrompe o fornecimento de energia para 57 clientes, com o tempo médio de restabelecimento de três horas. 
O tempo de retomada do serviço se explica pelo fato de que as colisões contra os postes exigem, muitas vezes, que a CPFL Paulista reconstrua a rede elétrica no local, com substituição do poste atingido, conforme a dimensão do dano.
Dependendo da gravidade do acidente, as equipes de campo precisam também aguardar a realização dos trabalhos da perícia policial, quando o acidente deixa vítimas.