Em junho, o comércio contabilizou 532 contratações e 621 demissões (Foto: Amanda Vieira/JP)

A cidade de Piracicaba fechou o primeiro semestre com menos 2.897 postos de trabalho. O saldo negativo é resultado das demissões, no período, no comércio, na construção, na indústria e em serviços. Nos seis primeiros meses deste ano, a agropecuária foi o único setor da cadeia produtiva que fechou com saldo positivo de empregos, foram 782 contratações.

A pandemia do novo coronavírus é apontada como a responsável pelo desempenho negativo do mercado de trabalho. Desde o início da crise na saúde, em março, o mês de junho foi o que registrou menos demissões.

De acordo com os dados divulgados ontem pelo (Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados), do Ministério da Economia, em Piracicaba, o saldo de demissões foi de 204, ante as 1.756 de maio e as 1.762 de abril.

“Foi o mês menos pior”, na definição do gerente regional do Ciesp (Centro das Indústrias do Estado de São Paulo) em Piracicaba, Homero Scarso.

Em junho, de acordo com o Caged, as admissões foram 2.280, no total ante os 2.484 desligamentos. O setor com maior saldo negativo, 205 postos a menos, foi a indústria, conforme o levantamento, com 503 contratações e 708 demissões.

O setor de serviços também contribuiu para o saldo negativo, com menos 133 postos, resultado de 827 admissões e 960 desligamentos.

O comércio, por sua vez, contabilizou 532 contratações e 621 demissões, portanto, 89 postos de trabalho a menos. Já a agropecuária contribuiu positivamente para os dados, com 219 admissões e apenas sete demissões, resultando em um saldo positivo de 212 postos.

CAUTELA
Para o gerente regional do Ciesp em Piracicaba, a recuperação dos empregos no período de pandemia deve levar de 12 a 24 meses.
“A indústria, bem como outros setores, está se adaptando à nova realidade e os empregos perdidos, levarão um bom tempo para que possam em parte serem recuperados, de médio a longo prazo, ou seja, de 12 a 24 meses pelo menos”, afirmou.

Scarso acredita que o agronegócio manterá a tendência de bons resultados na economia, enquanto os demais setores produtivos retomarão gradativamente.

“Como tudo é novo, o setor industrial está cauteloso, pois dependemos de uma série de fatores internos e externos para uma retomada mais robusta, exceto o setor do agronegócio que também em outras oportunidades, deverá trazer melhores resultados para sua cadeia produtiva”, acrescentou.

Beto Silva

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

dezoito − oito =