Em tempos de crise, como expor a temida pretensão salarial que algumas empresas perguntam

Foto: Freepik

Essa é uma das perguntas que os candidatos têm mais receio de responder, muitas vezes por falta de informação

Uma das perguntas que as pessoas geralmente têm mais receio de responder: qual a sua pretensão salarial? O salário é importante para todos nós. Pode não ser o principal motivador na tomada de decisão sobre aceitar ou não uma nova posição, mas certamente o salário precisa ser compatível para que a pessoa aceite a proposta e permaneça engajada.

Mas como definir a pretensão salarial em um processo seletivo? O constrangimento se deve, em grande parte, ao temperamento do brasileiro, segundo João Xavier, diretor geral de uma empresa de recursos humanos. “Somos menos pragmáticos do que outros povos, então achamos difícil atribuir um ‘preço’ para uma pessoa”, diz ele.

A situação é ainda mais complicada quando faltam dados sobre o outro lado. Segundo José Roberto do Valle, presidente de uma empresa de treinamento e consultoria, a maioria das empresas prefere anunciar vagas com “salário a combinar”.

“Elas fazem isso para se precaver e evitar que aconteça uma supervalorização do candidato”, afirma ele. “Por outro lado, também são poucos os profissionais que já anunciam um valor de cara”. Veja a seguir algumas orientações que, se não eliminam todas as dificuldades, podem ajudar a responder sobre a pretensão salarial:

CONSULTE
Para começar, Valle recomenda que o candidato consulte fontes oficiais sobre a remuneração média para sua área. Além de evitar distorções, o dado serve para embasar a negociação presencial, se houver. Saber quanto ganham ex-colegas de faculdade também ajuda a estimar um valor.

CONSIDERE SUA POSIÇÃO NO MERCADO
Para lançar um valor, o candidato também precisa refletir sobre sua situação atual. Se você tem um emprego, é uma boa ideia pedir um salário igual ou superior ao que você já recebe, segundo Xavier. No caso de quem está fora do mercado, a dica é pedir até 10% menos, com base na sua última remuneração.

ESTABELEÇA UM VALOR MÍNIMO VIÁVEL
Não adianta pesar apenas fatores externos para definir a sua pretensão salarial. “O candidato precisa definir um mínimo que precisa ganhar para pagar suas contas e se motivar para o trabalho”, diz Valle.

ATENÇÃO NA DESCRIÇÃO DA VAGA
Outro parâmetro relevante é o escopo da posição. “É preciso entender muito bem o que cobrarão de você para saber o quanto você pode pedir em troca”, diz Xavier.

PESQUISE SOBRE A EMPRESA
Um critério essencial para não “chutar” um valor despropositado é saber mais sobre o empregador. Busque saber, por exemplo, como vai o segmento a que ele pertence, e qual é o seu porte em relação à concorrência.

Laís Seguin
[email protected]

LEIA MAIS

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, entre com seu comentário!
Por favor, entre com seu nome

1 × 1 =