Máscaras e álcool em gel foram algumas das medidas. (Foto: Amanda Vieira/JP)

Fábricas de Piracicaba se viram obrigadas a modificarem estruturas físicas e a adotarem alguns protocolos para garantir a realização das atividades em meio à grave crise sanitária provocada pela disseminação do novo coronavírus. A OJI Papéis Especiais, por exemplo, tem tomado precauções rígidas a fim de conter o avanço da covid-19 e assegurar a integridade de seus colaboradores, familiares e prestadores de serviço.


Com cerca de 600 profissionais diretos e 150 provedores, a empresa instalou um túnel de ozônio na entrada da fábrica. Estudos comprovam a eficácia do ozônio na eliminação de vírus, fungos e bactérias. Além dessa medida, a indústria afastou os colaboradores com mais de 60 anos e com doenças crônicas; mantém o trabalho remoto para as funções compatíveis com a modalidade; realiza a triagem de funcionários nas portarias a fim de identificar pessoas com suspeitas da doença; desinfecta diariamente as áreas interna e externa da companhia; e disponibiliza máscaras e kits com álcool em gel e folder explicativo para todos.

“Queremos acreditar na previsão otimista de que já passamos pela pior fase, porém o nível de incerteza ainda é muito alto e os cenários econômicos podem mudar rapidamente”, afirma Agostinho Monsserrocco, presidente da OJI Papéis Especiais.

Prestes a completar 100 anos no dia 23 de agosto, a Dedini Indústrias de Base informou, via assessoria de imprensa, que segue com rigor o plano estabelecido pelo Comitê de Contingenciamento, que se baseia em orientações das autoridades sanitárias.

“Tendo em vista o crescimento do número de casos positivos de covid-19 em Piracicaba, a Dedini mantém 70% das atividades operacionais presenciais em seu parque fabril, por tempo indeterminado, e adotou o sistema de home office para várias atividades que podem usufruir deste modelo de trabalho. Para esses funcionários ativos, está fornecendo máscaras e fiscalizando seu uso, inclusive no transporte coletivo”.

As ações adotadas pela companhia contemplam ainda desinfecção e higienização das dependências da empresa, disponibilização de álcool gel em pontos estratégicos e barreira sanitária, que verifica a temperatura de todos os funcionários e visitantes.

Medidas semelhantes foram adotadas também pela Hyundai e Caterpillar. “Para aqueles que estão trabalhando, o uso de máscara de tecido fornecidas pela Hyundai é mandatório, tanto nos deslocamentos nos ônibus fretados como nas atividades diárias, e todos respeitam o distanciamento social”, destaca Ricardo Martins, vice-presidente administrativo da companhia. Juntas, a Hyundai e a Caterpillar, empregam cerca de 6,3 mil pessoas em Piracicaba.

Com o objetivo de diminuir a circulação de pessoas, reduzindo ao máximo as situações que favoreçam a transmissão do vírus, a ArcelorMittal também adotou home office para algumas funções administrativas e suspendeu eventos externos, internos e atividades com grande aglomeração de pessoas. “Os empregados foram orientados a cancelar as viagens a trabalho e a evitar deslocamentos desnecessários, priorizando a realização de reuniões virtuais”, afirma Luis Augusto de Arruda Penteado, diretor da unidade de Piracicaba. A companhia emprega 480 funcionários.

Ana Carolina Leal

Especial para o JP

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

onze − 2 =