Entenda por que não é preciso ter medo de implante dentário

Colocar um ou mais implantes dentários, normalmente, já gera ansiedade somente pelo fato de se tratar de um procedimento cirúrgico ou pelo medo de rejeição. (Foto: Freepik)

O avanço contínuo da Odontologia permite muitas alternativas para a manutenção da saúde e da estética dos sorrisos. Como é o caso dos implantes, que surgiram para devolver qualidade de vida a quem perdeu um ou mais dentes. Além da atuação de um cirurgião-dentista especializado nesse tipo de procedimento, sabe o que pode dar mais segurança ao paciente com implantes? São os certificados desses produtos. 

“Os implantes vêm com etiquetas que informam o número de registro na Anvisa e o lote de fábrica. Essas etiquetas são colocadas nas fichas dos pacientes ou, até mesmo, entregues a eles em cartões produzidos pelas próprias fabricantes dos implantes”, explica Sérgio Quaresma, membro da Câmara Técnica de Implantodontia do Conselho Regional de Odontologia de São Paulo (CROSP). Essa é uma prática comum dos consultórios odontológicos, mas pouco conhecida pelos pacientes, que é a rastreabilidade do produto. 

Seja qual for o processo adotado pelo profissional, o paciente pode conhecer a procedência de seu implante. Para isso, a atualização do prontuário é essencial. “Isso já vem sendo determinado e orientado. O cirurgião-dentista sempre atualiza os prontuários dos pacientes. Para ajudar, o CROSP criou um Manual do Implantodontista, produzido por nossa Câmara Técnica de Implantodontia, que aborda as orientações sobre a inclusão dos dados e etiquetas dos implantes e biomateriais utilizados nos prontuários. Dessa forma, a informação sempre poderá ser consultada pelo paciente, quando necessário”, conta Quaresma. 

Colocar um ou mais implantes dentários, normalmente, já gera ansiedade somente pelo fato de se tratar de um procedimento cirúrgico ou pelo medo de rejeição. Mas, o cirurgião-dentista explica que o procedimento é totalmente seguro, com altíssima taxa de sucesso e que não há rejeição. “Rejeição não é uma palavra adequada. Quando alguém menciona rejeição, estamos admitindo que houve uma interação do complexo antígeno-anticorpo, alguma coisa com o complexo imunológico, que agiu e rejeitou aquilo que foi utilizado. O implante dentário não sofre esse processo. Nosso corpo entende o implante como não sendo estranho, por isso que ele se osseointegra ao organismo”, detalha. “Caso haja falha de um implante de material de fonte segura, se essa perda não for prevista ou de causa que não possa ser identificada facilmente, muitas indústrias garantem a substituição desse implante. Por isso, a importância da etiqueta no prontuário”, completa. 

Ou seja, se o implante é a saída para garantir que haja saúde bucal eficiente, esteja seguro de realizar esse procedimento no ambiente adequado com um profissional especializado e que usa materiais de boa origem. Afinal, um sorriso bonito fica ainda melhor quando não coloca a sua saúde em risco.

Da Redação

LEIA MAIS:

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, digite o seu comentário!
Por favor, entre com seu nome

12 − 5 =